sicnot

Perfil

País

António Costa segue para visita de dois dias à Argentina

ANTONIO LACERDA

O primeiro-ministro português inicia hoje uma visita oficial de dois dias à Argentina, com um programa que possui uma forte componente económica, e que inclui um encontro com o Presidente da República, Maurício Macri.

Durante os dois dias em Buenos Aires, António Costa estará acompanhado pelos seus ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Esta madrugada, quando a comitiva do líder do executivo português chegou ao aeroporto de Ezeiza, a 25 quilómetros do centro da capital, António Costa foi recebido por Jorge Faurie, antigo embaixador argentino em Portugal e que, esta manhã, toma posse como ministro dos Negócios Estrangeiros.

No plano das relações políticas, o executivo português salienta sobretudo a circunstância de António Costa conhecer pessoalmente o chefe de Estado da Argentina, Maurício Macri.

Macri desempenhou as funções de presidente do Distrito Federal de Buenos Aires a partir de 2007, ou seja, no mesmo período em que o atual primeiro-ministro, também, começou a exercer o cargo de presidente da Câmara de Lisboa.

Hoje, o primeiro ponto do programa de António Costa na capital argentina será uma intervenção no encerramento de um encontro empresarial promovido pela AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal) e pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

Depois, visitará a Universidad Argentina de la Empresa (UADE), onde fará novo discurso, e estará presente num encontro com a comunidade lusa residente neste país - uma receção que terá lugar no Clube Português de Buenos Aires.

O momento alto do segundo e último dia em Buenos Aires, na terça-feira, acontecerá quando o primeiro-ministro se reunir com o Presidente da República, Maurício Macri, na Casa Rosada, após o que haverá assinatura de acordos bilaterais e declarações à imprensa.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06