sicnot

Perfil

País

Fogo em Odemira com duas frentes ativas

O incêndio que esta segunda-feira destruiu uma viatura dos bombeiros em Monchique está dominado e em fase de vigilância, enquanto o que lavra em Odemira continua ativo em duas frentes, com dezenas de meios no terreno, adiantou a Proteção Civil.

De acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, o fogo em Monchique estava, pelas 22h20 dominado e "em fase de vigilância", não tendo provocado feridos nem danos em habitações.

O incêndio na Portela do Vale, em Monchique, destruiu, no entanto, um veículo dos bombeiros de Portimão.Apesar de ainda haver 45 viaturas no local, a maioria deverá ser desmobilizada por volta da meia-noite, de acordo com o responsável do CDOS Faro.

Já o incêndio florestal em Odemira continua ativo em duas frentes, mobilizando cerca das 22h00 um total de 26 veículos e 68 operacionais, de acordo com o CDOS de Beja.

Pelas 19h30 o fogo estava a ser combatido por 58 bombeiro, 20 viaturas e um helicóptero.

Lusa

  • Viatura dos bombeiros destruída em fogo em Monchique

    País

    Um veículo de combate a incêndios florestais dos bombeiros de Portimão ficou esta segunda-feira destruído durante o combate a um fogo florestal na Portela do Vale, em Monchique, disse à Lusa o presidente da associação de bombeiros de Portimão.

  • Autocarro ardeu no túnel do Marão, não há vítimas

    País

    Um autocarro ardeu este domingo no túnel do Marão, no sentido Amarante-Vila Real. Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto disse à SIC que o incêndio está extinto, os passageiros conseguiram sair da viatura antes do fogo se alastrar e não há vítimas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.