sicnot

Perfil

País

Nova terapia para cancro do pâncreas pode dar mais tempo de vida

Um novo tratamento para o cancro do pâncreas, que potencialmente pode dar aos pacientes mais tempo de vida e ser uma alternativa para a quimioterapia, está a ser desenvolvido por uma equipa internacional onde participam investigadores do Porto.

Neste trabalho, a equipa demonstrou a possibilidade de utilizar exossomas (nanovesículas produzidas por todas as células humanas) como um veículo para "entregar" no pâncreas uma terapia que inibe a proteína KRAS, "sempre ativada" em pacientes com este tipo de cancro, disse à Lusa a investigadora Sónia Melo, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S).

De acordo com a especialista, cerca de 70% dos pacientes com cancro no pâncreas têm mutação no gene KRAS, que é "muito difícil de desligar", não por falta de ferramentas para o fazer mas devido à "localização anatómica" deste órgão, "não sendo fácil encontrar uma terapia que chegue efetivamente ao local".

Estes exossomas modificados, que carregam a terapia no seu interior, contêm à superfície uma proteína que consegue torná-los "invisíveis" ao sistema imunitário, não sendo assim "destruídos" pelo mesmo.

Sónia Melo indicou que, contrariamente ao que se pensa, o cancro do pâncreas "é tão agressivo como qualquer outro", diferenciando-se dos restantes apenas por ser "silencioso", muitas das vezes só existindo sintomas (dores abdominais) quando a lesão já é "bastante grande", sendo estes são pouco específicos.

"Em mais de 80% dos casos, quando os pacientes chegam à clínica, já têm metástases noutros órgãos, nomeadamente no fígado, na cavidade peritoneal e, muitas vezes, nos pulmões", referiu.

Devido à falta de sintomas, quando descoberto, "a esperança média de vida dos pacientes é de seis meses", mas isso acontece "única e exclusivamente" porque o diagnóstico é tardio, enquanto na maior parte dos outros cancros existem sintomas ou exposições externas que os denuncia e leva a um diagnóstico mais precoce, explicou.

Contudo, quando detetado cedo, "é um tipo de cancro muito fácil de curar", visto tratar-se de um órgão "fácil de remover", havendo ainda a possibilidade de ser realizada uma laparoscopia (um tipo de cirurgia não invasiva) para retirar a parte afetada do órgão, indicou Sónia Melo.

Embora já existam, hoje em dia, terapias dirigidas para a maior parte dos cancros, no caso do pâncreas só há tratamentos genéricos, como a quimioterapia, "que matam não são só as [células] cancerígenas, mas todas aquelas que estejam em divisão", como as do sistema imunitário e as que fazem crescer o cabelo e as unhas.

Para Sónia Melo, desde que surgiram as terapias direcionadas, houve "um decréscimo na mortalidade de quase todos os tipos de cancro", facto que não verifica no pâncreas, podendo este estudo trazer "uma nova esperança" para estes casos.

O método de tratamento desenvolvido pela equipa foi testado primeiramente em ratos, estando neste momento a ser utilizado em macacos para, até ao final do ano, passarem aos ensaios clínicos de fase I em pacientes com cancro do pâncreas.

Segundo a cientista, o i3S está a colaborar ainda num estudo com o IPO, do Porto para encontrar, também através da utilização de exossomas, um tratamento mais dirigido para o carcinoma renal, cuja mortalidade é "também muito elevada" e para o qual "não há uma terapia com uma vantagem muita clara para os pacientes".

Esta investigação, que iniciou em 2013 e na qual participam, para além das investigadoras do i3S Sónia Melo e Carolina Ruivo, sete profissionais do 'MD Anderson Cancer Center', da Universidade de Houston, no Texas (Estados Unidos), foi publicado quarta-feira na revista "Nature".

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.