sicnot

Perfil

País

Trabalho infantil compromete desenvolvimento das crianças

Criança palestinana vende verduras num mercado de Gaza

Mohammed Salem / Reuters

O Provedor de Justiça, José de Faria Costa, condenou hoje, Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, o emprego de crianças em fábricas, na mendicidade e em trabalhos agrícolas que, "pela sua prematuridade e violência", comprometem o seu desenvolvimento.

Numa mensagem publicada no site do Provedor de Justiça, José de Faria Costa assinala a data e condena de "um jeito veemente", o trabalho infantil que compromete "o desenvolvimento físico, psíquico e, até, cognitivo" das crianças e ofende "os seus direitos fundamentais".

Recorda ainda que tem disponível a Linha da Criança (800 20 66 56) destinada ao tratamento de questões relativas "a todos aqueles que, em razão da sua precoce idade, são particularmente mais vulneráveis: as crianças e os jovens".

"A Organização Internacional do Trabalho passou a dedicar, desde 2002, o dia 12 de junho ao combate a todas as formas de trabalho infantil que, um pouco por todo o mundo, são utilizadas, impedindo que as crianças sejam tão-só - o que é já muito - crianças", sublinha.

O Provedor de Justiça adianta que tem desenvolvido, no contexto internacional, atividades no sentido de promover e defender os direitos humanos dos jovens.
Recorda a este propósito, a sua atuação na Rede Temática da Infância e da Adolescência da Federação Ibero-Americana de Ombudsman, um fórum de reflexão e de ação na tutela daqueles direitos em um espaço que compreende 20 países da Península Ibérica e da América Latina.

A UNICEF estima que existam 168 milhões de crianças vítimas de trabalho infantil, trabalhando muitas delas (85 milhões) em condições de exploração infantil, com perigos graves à saúde e sendo envolvidas em conflitos armados.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, mais de 20 em cada cem crianças entram no mercado de trabalho por volta dos 15 anos de idade nos países pobres.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20