sicnot

Perfil

País

Parlamento aprova bloqueio de sites e aplicações perigosas para menores

O parlamento aprovou esta quarta-feira parte da recomendação do CDS-PP sobre cibercrime, no ponto em que os democratas-cristãos pedem ao Governo que bloqueie o acesso a sítios da internet e aplicações digitais considerados potencialmente perigosos ou impróprios para menores.

Este ponto foi aprovado com votos contra do BE, PCP e Verdes e votos favoráveis dos restantes partidos. Os restantes pontos da recomendação do CDS foram rejeitados, com votos contra de toda a esquerda.

Os democratas-cristãos pediam ao Governo, entre outras coisas, a criação de um programa anual de formação para a cibersegurança e prevenção do cibercrime e a promoção de ações de sensibilização para estas temáticas nas escolas.

Rejeitados, com votos contra de PSD, PS e CDS-PP, foram o projeto de lei do PCP que pedia a criação de gabinetes pedagógicos de integração escolar e uma recomendação dos Verdes que propunha a contratação de mais psicólogos em contexto escolar, e a implementação de uma agenda "de informação e sensibilização sobre o 'cyberbullying'.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".