sicnot

Perfil

País

Dez incêndios em curso em Portugal continental

Dez incêndios estavam em curso em Portugal continental às 16h30, sendo que dois fogos nos distritos de Leiria, um no de Loures e outro no de Coimbra mobilizavam nove meios aéreos e mais de 450 bombeiros.

Segundo a informação disponível no site da Autoridade Nacional da Proteção Civil, o fogo na localidade de Fonte Limpa, concelho de Góis (Coimbra), mobilizava três meios aéreos, 141 bombeiros e 32 viaturas.

No concelho de Pedrógão Grande (Leiria), na localidade de Escala Fundeiros, o fogo mobilizava um meio aéreo, 105 homens e 33 viaturas.
Em Loures (Lisboa), um meio aéreo, 207 homens e 63 viaturas combatem o fogo que lavra no Barro.

Já no concelho de Mação (Santarém), um meio aéreo, 55 homens e 14 viaturas combatiam o incêndio ativo na localidade de São José das Matas.

Por seu turno, o incêndio em curso em Moninhos/ Fundeiros, no concelho de Figueiró dos Vinhos (Leiria), mobilizava um meio aéreo, 58 homens e 18 viaturas.

Já no distrito de Faro, em Monte Ruivo, no concelho de Aljezur, um fogo estava a ser combatido por um meio aéreo, 22 homens e cinco viaturas, enquanto outro em Vale de Lobo, no concelho de Loulé, mobilizava um meio aéreo, 19 homens e cinco viaturas.

Às 16h55, a Proteção Civil dava conta da existência de 347 fogos em Portugal continental, 13 dos quais ativos, dois em resolução e 22 em conclusão. No total, estes incêndios mobilizavam 1.118 homens, 319 viaturas e 11 meios aéreos.

Um incêndio em resolução significa, de acordo com a Proteção Civil, que não há perigo de propagação além do perímetro já atingido.

Um fogo em conclusão é um incêndio extinto com pequenos focos de combustão dentro do perímetro atingido.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".