sicnot

Perfil

País

Área ardida este ano é 12 vezes superior ao mesmo período de 2016

Paulo Cunha

Os incêndios florestais consumiram até 15 de junho 15.184 hectares, uma área ardida quase 12 vezes superior ao mesmo período de 2016, revelou esta segunda-feira o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O relatório provisório do ICNF, que não inclui os dados do incêndio que deflagrou no sábado em Pedrogão Grande, adianta que o ano de 2017 apresenta "o quarto valor mais elevado de área ardida" da última década, por comparação com o mesmo período.

O documento indica que este ano regista "o terceiro valor mais elevado em número de ocorrências" desde 2007.

Segundo o ICNF, entre 1 de janeiro e 15 de junho registaram-se 5.760 ocorrências de fogo (1.515 incêndios florestais e 4.245 fogachos), mais 4.525 do que em igual período de 2016, quando deflagraram 1.235.

Os 15.185 hectares de área ardida resultaram em 4.917 hectares em povoamentos e 10.267 hectares em matos, referem os dados, sublinhando que no mesmo período de 2016 os incêndios tinham consumido 1.336 hectares.

"Comparando os valores do ano de 2017 com o histórico dos últimos 10 anos destaca-se que se registaram mais 32% de ocorrências e mais 58% de área ardida relativamente à média verificada no decénio 2007-2016", lê-se no primeiro relatório sobre incêndios florestais publicado este ano.

O ICNF justifica estes valores da área ardida com "as condições meteorológicas adversas" e "favoráveis à propagação de incêndios", avançando que abril foi o mês com maior área ardida este ano (7.354 hectares) e com o maior número de fogos (2.309), seguido de março (4.358 hectares de área ardida e 1.125 de ocorrências)

A área ardida do mês de abril foi responsável por quase metade da área ardida registada até 15 de junho.

O mesmo documento indica igualmente que o maior número de fogos registou-se nos distritos do Porto (1.118), Braga (815) e Vila Real (672), embora estas ocorrências tenham sido maioritariamente fogachos, ou seja, de reduzida dimensão que não ultrapassam um hectare de área ardida.

Já o distrito mais afetado em área ardida foi, até 15 de junho, Vila Real com 3.118 hectares, cerca de 21% da área total, seguido de Braga com 2.984 hectares (20% do total).

O relatório do ICNF mostra ainda que se registaram, até 15 de junho, 19 "grandes incêndios", cuja área total afetada foi igual ou superior a 100 hectares, e queimaram 3.602 hectares de espaços florestais, cerca de 24% do total da área ardida.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.