sicnot

Perfil

País

Distritos afetados pelo fogo vão continuar com temperaturas elevadas

Rafael Marchante

Os distritos de Leiria, Santarém, Castelo Branco e Coimbra, fortemente afetados por incêndios, vão continuar hoje com temperaturas elevadas, a rondar os 35/40 graus Celsius, disse à agência Lusa a meteorologista Maria João Frada.

De acordo com a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para hoje ainda está previsto tempo quente com temperaturas máximas elevadas e, por isso, foram emitidos avisos para todo o território, com exceção de Faro.

"Os avisos são todos amarelos com exceção dos distritos de Braga, Coimbra, Leiria e Santarém que são laranja. Para hoje e amanhã [quarta-feira], nas regiões do interior, teremos ainda temperaturas máximas da ordem dos 35 a 40 graus. Amanhã a descida é no litoral oeste e depois, na quinta-feira, a descida vai estender-se às regiões do interior", explicou.

Segundo Maria João Frada, as temperaturas vão variar entre os 28 e os 35 graus, sendo que esta última será no interior do Alentejo e nordeste transmontano, e as beiras, Leiria e Coimbra vão estar abaixo dos 32 graus.

"No que diz respeito ao vento, hoje vai ser fraco do quadrante oeste. Vai sentir-se um pouco de brisa, nomeadamente em Leiria e Coimbra, mas na quarta-feira vai aumentar de intensidade e soprar moderado de nordeste com intensidade e vai entrar mais na parte do litoral oeste e, também, nos distritos de Braga, Porto, Coimbra, Leiria e Santarém", contou.

De acordo com Maria João Frada, com a descida das temperaturas vai entrar muita humidade e nebulosidade e, na quarta-feira, pode estender-se mais para o interior, o que pode favorecer o combate aos incêndios.

"Por um lado, este vento traz um ar mais fresco, por outro lado o aumento da intensidade do vento é prejudicial para os incêndios", disse.

Assim, segundo a meteorologista do IPMA, o dia de hoje vai ser de céu pouco nublado ou limpo, aumentando de nebulosidade durante a tarde nas regiões do interior, onde há possibilidade de ocorrência de aguaceiros e trovoadas, que a ocorrer serão dispersos e muito frequentes.

"Teremos ainda, já para o final do dia de hoje, uma mudança. No litoral a sul do Cabo Raso e do Cabo Carvoeiro, o céu vai tornar-se muito nublado e é já um indicador de que o tempo vai mudar principalmente no litoral oeste", disse.

A partir de quarta-feira, indicou a especialista, vai ocorrer uma descida da temperatura, que será acentuada em alguns locais. "As descidas podem ser na ordem de 05 a 08 graus e em alguns locais podem atingir os 10/12 graus, nomeadamente na região da grande Lisboa e Setúbal" e "no litoral as temperaturas vão rondar os 23 a 26 graus", disse.

De acordo com Maria João Frada, a descida das temperaturas está associada a uma mudança na massa de ar, que apresenta um trajeto atual do interior do norte de África e que, na quarta-feira, tenderá a vir do mar e será mais fria e húmida.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.