sicnot

Perfil

País

PS contra nacionalização do SIRESP "no imediato" mas disponível para mudanças

MIGUEL A. LOPES

O PS disse esta quarta-feira ser contra a nacionalização do SIRESP no imediato, como pretende o BE, mas manifestou-se disponível para "votar e aprovar" o que se venha a demonstrar ser relevante para aumentar "a segurança e tranquilidade" das populações.

No debate parlamentar do projeto do BE que exige o fim imediato da parceria público privada (PPP) do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), o deputado socialista José Miguel Medeiros considerou que será necessário "reforçar a rede e natureza do serviço" mas defendeu que as queixas reportadas não parecem derivar do modelo de propriedade do sistema.

"Naturalmente, não corroborando a ideia de avançar para uma nacionalização do sistema, pelo menos no imediato, [o PS] não deixa de acompanhar as preocupações manifestadas pelo BE. Na altura própria, estaremos disponíveis para votar e aprovar aquilo que for relevante para que doravante as populações do nosso país sintam a segurança e tranquilidade necessárias sempre que acontecerem tragédias como esta", disse, numa referência ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande e causou pelo menos 64 mortes.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.