sicnot

Perfil

País

Morreu Mário David Campos, jornalista da revista Visão

Mário David Campos tinha 50 anos. Trabalhava na revista desde 1999. Morreu na manhã deste domingo, vítima de um ataque cardíaco. O corpo estará presente na casa mortuária de Canidelo, em Gaia, a partir das 17:00, de acordo com a revista Visão.

O jornalista Mário David Campos, que trabalhava na Visão desde 1999, morreu hoje aos 50 anos, informou a revista na sua página da internet.


"Esta é daquelas notícias que ninguém gosta de dar. Mário David Campos, camarada de profissão, partiu. Aos 50 anos de idade, o coração traiu-o e traiu-nos, levando-o e deixando-nos já com uma saudade indizível", lê-se na notícia publicada pela Visão.


Mário David Campos iniciou carreira no já extinto semanário Independente e, depois de uma passagem por O Primeiro de Janeiro e pelo Diário de Noticias, ingressou na revista Visão.
O corpo estará presente na casa mortuário de Canidelo, em Gaia, a partir das 17:00, acrescenta a revista Visão.

Com Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.