sicnot

Perfil

País

"Governo da austeridade dissimulada" é pautado por "uma sucessão de casos"

Lusa

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou hoje o primeiro-ministro de liderar um Governo de "austeridade dissimulada" e pautado por uma "sucessão de casos" com ministros e secretários de Estado.

"O senhor não tem um Governo, tem uma sucessão de casos de ministros que o senhor desconsidera e ultrapassa num dia, mas segura no outro, de secretários de Estado que se demitem, oportunamente, com um ano de atraso; tem uma administração com degradação de serviços públicos, da educação à saúde ou aos transportes, tem o Governo da austeridade dissimulada", afirmou Assunção Cristas.

No debate do estado da Nação, no parlamento, a líder centrista disse que o primeiro-ministro tem a tática de, "quando a conversa não interessa, pura e simplesmente, desaparece de circulação, não usa a palavra, não dá a cara".

"Acha que basta mergulhar e esperar que a onda má passe de forma a depois a poder surfar uma qualquer onda boa, para a qual pouco ou nada contribuiu", afirmou, numa referência indireta à semana de férias que o primeiro-ministro gozou na semana passada.

Na sua intervenção, Cristas referiu-se à tragédia de Pedrogão Grande, ao roubo do armamento de Tancos, e à exoneração de três secretários de Estado no caso das viagens oferecidas pela Galp aqueles governantes para assistir a jogos do Euro2016.

Sobre Tancos e as viagens da Galp, a presidente do CDS disse que o chefe do executivo faz "montagem de narrativas" e "vive convencido do seu poder para colocar pontos finais".

"Não tem poder para tal, ou não teríamos três secretários de Estado demitidos um ano depois de o senhor ter dado o caso como encerrado. Aliás, este parece ser mais um caso da sua montagem de narrativas ou quer-nos fazer querer que todos no seu Governo têm uma intuição de tal forma apurada que, embora sem notificação, pedem a demissão, que o senhor aceita, três dias depois do despacho do Ministério Público os constituir como arguidos?", questionou.

Cristas prometeu, por cada "ponto final" trazido pelo primeiro-ministro, trazer "reticências e pontos de interrogação", e "muita exclamação e muita indignação".

Relativamente a Tancos, a presidente dos centristas argumentou que na terça-feira o primeiro-ministro disse que, "afinal era tudo sucata": "Pela sua lógica, daqui a pouco estamos a agradecer terem roubado o material porque sempre poupamos o custo de o desmantelar", ironizou.

"Garante-nos que as armas não podem ir parar a redes de criminalidade transnacional organizada que ameaçam a vida das nossas sociedades? Garante-nos que não há qualquer potencial de morte e de destruição, em Portugal ou fora?", perguntou.

"É isto, pergunto uma vez mais, digno de Estado membro da União Europeia e da NATO"?, insistiu.

Sobre a tragédia de Pedrogão Grande, Assunção Cristas apontou a "falha gravíssima do Estado na proteção dos cidadãos", considerando que "a confiança quebrou-se e era necessário repará-la de imediato", mas em vez disso, assistiu-se à "total descoordenação".

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC