sicnot

Perfil

País

Ministro da Saúde defende que está a tirar o SNS dos mínimos de 2015

O ministro da Saúde defendeu esta quarta-feira que está a tirar dos mínimos o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e afirmou que no final deste ano apenas se ficará "próximo" da cobertura total de médicos de família.

Posições assumidas por Adalberto Campos Fernandes na parte final do debate sobre o estado da Nação, na Assembleia da República, numa discussão que travou sempre de forma tensa com todas as bancadas, exceção feita ao PS, e em que chegou mesmo ao ponto de sugerir que uma entidade independente avalie a evolução do SNS entre o final de 2015 e a atualidade.

Num desses momentos mais tensos do debate, Adalberto Campos Fernandes causou sonoras gargalhadas nas bancadas do PSD e do CDS-PP quando afirmou o seguinte: "Não somos da parte do parlamento que se incomoda com diferenças de opinião".

Uma frase que levou logo um conjunto de deputados sociais-democratas e democratas-cristãos a apontarem a rir-se para as bancadas do PCP e do BE, partidos que suportam a atual solução de Governo no parlamento.

Neste debate, o ministro da Saúde rejeitou a acusação da deputada do CDS-PP Isabel Galriça Neto de que tivessem existido em 2016 mais de 300 milhões de euros em cativações em funções essenciais do SNS.

O membro do Governo defendeu em contrapartida que recebeu uma pesada herança em novembro de 2015 do anterior executivo e que está agora "a tirar dos mínimos" o SNS existindo atualmente mais de quatro mil profissionais em funções e mais centros de saúde.

Adalberto Campos Fernandes também se lançou no ataque político contra o PSD e o CDS-PP, acusando-os de "lágrimas de crocodilo" em relação ao SNS, "porque antes queriam privatizar os serviços de saúde".

A deputada do PEV Heloísa Apolónia questionou o ministro da Saúde para quando a cobertura total de médicos de família, "já que se percebeu que essa meta não será atingida no final deste ano, tal como estava prometido".

O ministro da Saúde respondeu que em 2015 havia mais 500 mil pessoas sem médico de família, mas reconheceu que continuam sem essa cobertura cerca de 800 mil portugueses.

"Agora em julho e em novembro vamos colocar perto de 400 médicos de família especialistas, que aguardam colocação através de concurso. Portanto, no final deste ano, seguramente não cumpriremos na totalidade, mas ficaremos muito próximos do objetivo de ter no final da legislatura a cobertura plena", disse.

Antes, o vice-presidente da bancada do PSD Miguel Santos tinha acusado o ministro da Saúde de ter poucos bons resultados e esses poucos bons resultados serem obra do seu antecessor no cargo, Paulo Macedo.

Miguel Santos afirmou ainda estar apreensivo com a situação do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), entidade que, segundo Adalberto Campos Fernandes, pelo contrário, tem atualmente mais meios e mais recursos humanos.

Pela parte do Bloco de Esquerda, o deputado Moisés Ferreira criticou o Governo por haver continuidade face ao anterior executivo, desafiando o ministro da Saúde a acabar com a parceria público privada do Hospital de Braga, enquanto a deputada comunista Paula Santos se insurgiu em relação à opção de recurso à gestão privada em Sintra.

Paula Santos advertiu ainda para a existência de profissionais de saúde "exaustos e desmotivados", exigindo "o descongelamento das carreiras" e melhorias ao nível remuneratório.

Já a deputada socialista Luísa Salgueiro sustentou que foram cumpridas 75% das medidas previstas no Programa do Governo para o setor da saúde.

Lusa

  • Sporting quase nos oitavos da Liga Europa

    Desporto

    O Sporting procura hoje alcançar o apuramento para os oitavos de final da Liga Europa de futebol, na receção aos cazaques do Astana, em contraponto com o Sporting de Braga, que enfrenta uma árdua tarefa frente ao Marselha. O jogo Sporting-Astana tem transmissão em direto na SIC, online e mobile às 18:00.

    Aqui às 18:00

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Hospital abandonado com equipamentos dentro em Vila Franca de Xira 
    4:41

    País

    O antigo Hospital de Vila Franca de Xira, encerrado há quase cinco anos, está ao abandono ainda com parte do material de saúde, como máquinas, camas, cadeiras ou macas. A SIC teve acesso a várias imagens que mostram o estado em que os equipamentos se encontram, bem como sinais de vandalismo e de assaltos.

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC