sicnot

Perfil

País

PS diz que o ano foi bom para o país mas mau para a oposição

O deputado do PS João Paulo Correia defendeu hoje que o ano "foi bom para o país mas mau para a oposição" e apontou como questões políticas centrais no próximo ano parlamentar o combate à pobreza.

"Este foi um ano bom para o país mas foi um ano mau para a oposição. (...) O PSD e o CDS andaram a dizer que tudo ia correr mal ao país, e nada disto aconteceu, a oposição falhou, o país está melhor e a realidade derrubou o discurso da oposição", declarou.

Num pedido de esclarecimento no debate sobre o "estado da Nação", o deputado socialista procurou demonstrar que o PSD e o CDS-PP "falharam", dizendo que "afinal o modelo económico é viável" e que "a economia cresce acima da média europeia".

O deputado afirmou que para o PS o combate à pobreza e à exclusão social serão "as questões políticas centrais" para o próximo ano parlamentar e questionou o primeiro-ministro, António Costa, sobre "o que é que os portugueses podem esperar" para 2018.

António Costa respondeu que "foi essencial virar a página da austeridade", caso contrário o país continuaria "com uma confiança na economia asfixiada".

Segundo o primeiro-ministro, o que os "portugueses podem esperar é inovação, qualidade e emprego" porque "nenhum português deseja o regresso de um Portugal pobrezinho e sem direitos que a direita quis apresentar".

O deputado João Paulo Pereira tinha destacado estatísticas recentes que indicam que "afinal o desemprego desce", situando-se nos 9,4%, a taxa mais baixa desde 2008, e que "afinal a economia cresce, mais do dobro da zona euro".

"Afinal o rendimento das famílias cresceu, afinal a taxa de pobreza diminuiu e afinal Portugal saiu do procedimento por défice excessivo", sublinhou.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44