sicnot

Perfil

País

PS diz que o ano foi bom para o país mas mau para a oposição

O deputado do PS João Paulo Correia defendeu hoje que o ano "foi bom para o país mas mau para a oposição" e apontou como questões políticas centrais no próximo ano parlamentar o combate à pobreza.

"Este foi um ano bom para o país mas foi um ano mau para a oposição. (...) O PSD e o CDS andaram a dizer que tudo ia correr mal ao país, e nada disto aconteceu, a oposição falhou, o país está melhor e a realidade derrubou o discurso da oposição", declarou.

Num pedido de esclarecimento no debate sobre o "estado da Nação", o deputado socialista procurou demonstrar que o PSD e o CDS-PP "falharam", dizendo que "afinal o modelo económico é viável" e que "a economia cresce acima da média europeia".

O deputado afirmou que para o PS o combate à pobreza e à exclusão social serão "as questões políticas centrais" para o próximo ano parlamentar e questionou o primeiro-ministro, António Costa, sobre "o que é que os portugueses podem esperar" para 2018.

António Costa respondeu que "foi essencial virar a página da austeridade", caso contrário o país continuaria "com uma confiança na economia asfixiada".

Segundo o primeiro-ministro, o que os "portugueses podem esperar é inovação, qualidade e emprego" porque "nenhum português deseja o regresso de um Portugal pobrezinho e sem direitos que a direita quis apresentar".

O deputado João Paulo Pereira tinha destacado estatísticas recentes que indicam que "afinal o desemprego desce", situando-se nos 9,4%, a taxa mais baixa desde 2008, e que "afinal a economia cresce, mais do dobro da zona euro".

"Afinal o rendimento das famílias cresceu, afinal a taxa de pobreza diminuiu e afinal Portugal saiu do procedimento por défice excessivo", sublinhou.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC