sicnot

Perfil

País

Arquivada queixa da CDU contra Rui Moreira no caso "Selminho"

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou hoje ter sido notificado pelo Ministério Público do arquivamento da queixa apresentada pela CDU contra si sobre o caso "Selminho".

"Entendeu o Ministério Público (MP), após investigação, que não existiu 'qualquer sinal de proveito pessoal do autarca visado ou de terceiros ou de prejuízos patrimoniais para a autarquia, por não ter sido clarificado que hajam sido violados os deveres de respeito pela legalidade administrativa, que enformam o 'munus' das suas funções, suscetível de por em causa o seu desempenho isento e íntegro'", refere Rui Moreira, em nota informativa enviada à Lusa.

A CDU apresentou em dezembro uma queixa no MP sobre a Selminho, empresa de Rui Moreira e da sua família com quem a autarquia fez um acordo extrajudicial, em 2014, devido a um terreno na calçada da Arrábida.

O acordo estabelece que a autarquia devolve a capacidade construtiva ao terreno no âmbito da revisão do PDM [em curso até 2018] , ou será criado um tribunal arbitral para definir um eventual direito de indemnização à empresa.

Perante o arquivamento, cuja notificação do MP está datada de terça-feira, o autarca independente espera agora "um pedido de desculpa" da CDU, mas também do PSD e Bloco de Esquerda (BE), "tendo em conta o aproveitamento político e eleitoral que tentaram fazer com acusações caluniosas" sobre este processo.

As acusações visaram "lesar a minha imagem pública e bom nome, assim como os da minha família", conclui.

A informação foi tornada pública no ano passado, em julho e, em outubro, a CDU/Porto anunciou que ia levar o caso ao MP e à Direção-Geral das Autarquias Locais, revelando uma adenda à transação judicial que conferia "um novo privilégio" à empresa.

Nesse mesmo mês de julho, Rui Moreira anunciou que ia apresentar uma queixa na Procuradoria-Geral da República contra "desconhecidos sem escrúpulos" que, anonimamente, espalharam dúvidas sobre o acordo alcançado entre o município e a Selminho.

Já em março deste ano, a Lusa divulgou que a autarquia e a Selminho adiaram por um ano o acordo que permite à empresa recorrer a um tribunal arbitral para pedir uma indemnização ao município, remetendo para "25 de março de 2018", data em que "deverá estar concluída" a revisão do Plano Diretor Municipal (PDM), a hipótese de a empresa reivindicar uma compensação financeira relacionada com a capacidade construtiva do terreno.

Em maio, o jornal Público escreveu que os serviços da autarquia concluíram que é municipal "uma parcela de 1.621 metros quadrados" integrada na área de 2.260 metros quadrados apresentada pela Selminho para construção na Calçada da Arrábida, junto à via panorâmica Edgar Cardoso.

O diário acrescentou que, segundo informações dos serviços da autarquia, isto significa que aquela parcela de terreno "não admite a atribuição de direitos de construção" à empresa.

A Câmara do Porto revelou em 18 de maio à Lusa que vai interpor uma ação judicial para esclarecer "qual dos registos" de propriedade é válido sobre um terreno municipal que integra a área de construção da Selminho.

O terreno foi vendido à imobiliária em 2001, por um casal que, dois meses antes, o registou como seu no Cartório de Montalegre, alegando usucapião e uma "compra verbal" feita em 1970.

No âmbito do PDM de 2006, o terreno perdeu capacidade construtiva por ter sido classificado como escarpa, levando a Selminho a avançar para tribunal contra a Câmara, processo que terminou com o acordo.

Lusa

  • BE avança com requerimento para anular sentença no caso Selminho
    0:56

    País

    O Bloco de esquerda vai avançar com um requerimento no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto para anular a sentença que resultou do acordo entre a Câmara do Porto e a empresa Selminho, da qual Rui Moreira é sócio. João Semedo diz que cabe agora à justiça repôr a lei uma vez que não se fundamenta por votos como acontece na política.

  • Buscas no Benfica, P. Ferreira, V. Setúbal e Desportivo das Aves

    Desporto

    A Polícia Judiciária do Porto está a fazer buscas à SAD do Benfica, no Estádio da Luz, e ainda ao Paços de Ferreira, Desportivo das Aves e Vitória de Setúbal. Em causa estão alegados crimes de corrupção desportiva e fraude fiscal. O clube da Luz já reagiu em comunicado.

    Em atualização

  • Sousa Cintra e Comissão de Gestão analisam futuro do Sporting
    2:37

    Crise no Sporting

    Sousa Cintra reuniu-se hoje com a Comissão de Gestão para analisar o que fazer no Sporting, depois da tomada de posição de Bruno de Carvalho. O presidente que foi destituído do cargo na Assembleia Geral de sábado, depois de dizer que se ia afastar, deixou depois a garantia de que vai impugnar a reunião magna do clube e vai a eleições.

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.