sicnot

Perfil

País

PCP admite condenar Pyongyang desde que reconhecidas provocações dos EUA

(arquivo)

KCNA / Reuters

O secretário-geral do PCP assumiu hoje preocupação com a situação na península coreana, admitindo o voto favorável à condenação das ações bélicas do regime de Pyongyang, desde que sejam reconhecidas provocações dos Estados Unidos da América na região.

Em entrevista à agência Lusa, que será divulgada no domingo, Jerónimo de Sousa defendeu ainda a necessidade de estabilidade na Venezuela, até para bem da comunidade portuguesa, reiterando solidariedade com a Revolução Bolivariana, embora recordando que o partido maioritário daquele Governo é filiado na Internacional Socialista.

"Desde que seja um voto que não isole essa questão, mas o faça num enquadramento fronteiriço, que responsabilize essa força agressiva, permanente, que se deslocou milhares de quilómetros para ali estar, em cima de uma fronteira, para ameaçar com todo o poderio militar...", assentiu, confrontado sobre a possibilidade de um texto crítico da ação da Coreia do Norte vir a ser apreciado no parlamento português.

O líder comunista declarou que "a solução tem de ser política", num "processo de reunificação da Coreia, sem recurso à violência militar, sem intervenção estrangeira", naquela que seria "a solução ideal naquela zona do planeta", referindo-se à República Popular Democrática da Coreia, resultante da divisão da península entre a União Soviética e os Estados Unidos da América no pós-II Grande Guerra Mundial, regime agora liderado por Kim-Jong Un.

"Não estamos a falar de um míssil que a Coreia do Norte lançou, estamos a falar de um país, dos Estados Unidos, que tem capacidade para destruir seis vezes o nosso planeta - essa preocupação eu nunca ouço. Estamos a falar da necessidade da paz, de encontrar soluções políticas. Se esse voto corresponder a este quadro, não teremos dificuldade em tomar essa posição", reconheceu.

Na parte oposta do mapa-mundo, dada a recente polémica na Assembleia da República entre o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, e o vice-presidente da bancada democrata-cristã Telmo Correia, sobre um texto relativo à Venezuela, Jerónimo de Sousa afirmou que "não há, no plano ideológico, uma identificação comum - o que não invalida o direito que o povo venezuelano tem de traçar o seu futuro", referindo-se ao Partido Socialista Unido da Venezuela do atual presidente, Nicolas Maduro.

"O partido que determina a governação está filiado na Internacional Socialista", justificou, reforçando a solidariedade para com o "projeto de emancipação" e de "afirmação da independência, progresso económico e social", numa Venezuela que se "libertou de ser ali uma parte do quintal do imperialismo norte-americano".

Segundo o secretário-geral do PCP, há "uma direita mais radicalizada, que se identifica com esse grande objetivo do imperialismo, o qual não perdoa que os povos da América Latina se libertem do seu jugo... e reage ideologicamente para que a situação se encazine".

"A defesa dos interesses da comunidade portuguesa passa necessariamente por uma situação de estabilidade. Os nossos concidadãos só têm a ganhar com a evolução positiva da situação. Olhando para aquilo que está a acontecer... sem ilibar coisa nenhuma, mas calar todo o processo que envolve boicote de produtos alimentares, ataque ao Supremo Tribunal, violência num hospital ou numa creche... a própria ideologia e comunicação social dominantes transformam a vítima em responsável... Deixem o povo venezuelano decidir o seu próprio futuro", defendeu.

O falecido Hugo Chavez, chegado ao poder em 1999, viu a nova constituição venezuelana aprovada. Maduro sucedeu-lhe em 2013, mas a situação económica e social tem vindo a agravar-se em todo o país, sobretudo em tempos recentes, com crescente contestação por parte da oposição e confrontos violentos nas ruas de Caracas e outras cidades.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01