sicnot

Perfil

País

Várias viaturas queimadas na aldeia de Chã

O incêndio na localidade de Vila Chã, no concelho de Alijó, distrito de Vila Real, obrigou à retirada de crianças e alguns idosos da aldeia de Chã, constatou a Lusa no local.

A aldeia de Chã, sede de freguesia, está coberta pelo fumo e pelas chamas do fogo que cerca a zona.

Foram retiradas da aldeia de Chã crianças, alguns acamados e alguns idosos. As crianças foram transportadas para o pavilhão Municipal de Alijó.

As pessoas que foram retiradas são idosos ou pessoas com deficiência, não tendo sido evacuada nenhuma localidade "por inteiro", por o incêndio não apresentar ainda perigo para tal, disse à agência Lusa o comandante dos Bombeiros de Alijó, José Carlos Rebelo.

Segundo o comandante, há algumas localidades que "estão na linha de fogo" e que poderão ficar ameaçadas pelas chamas, como é o caso de Carvalho e Casas da Terra.

No entanto, José Carlos Rebelo realçou que as chamas "ainda estão longe, a alguns quilómetros" de distância dessas localidades.

Até ao momento, as chamas já destruíram "alguns anexos e armazéns", bem como casas devolutas, não havendo registo de casas de primeira habitação afetadas, afirmou.

De acordo com o comandante dos Bombeiros de Alijó, "está muito difícil combater o fogo", registando-se ventos de "70 a 80 quilómetros por hora".

"Neste momento, todos os meios são necessários", vincou.

Ao início da tarde, o fogo tinha sido dado como dominado, mas sofreu, entretanto, uma reativação.

Às 19h25, segundo a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil, encontravam-se no combate ao incêndio 300 operacionais, 87 viaturas e oito meios aéreos.

O alerta para as chamas foi dado às 1h55 de hoje e o fogo chegou a avançar em três frentes.

Um bombeiro no local disse à agência Lusa que houve algumas viaturas que já arderam.

Antes, o presidente da Câmara Municipal de Alijó, Carlos Magalhães, havia dito à Lusa que o fogo estava a aproximar-se de uma adega onde estão guardadas "muitas aguardentes", sendo a prioridade dos bombeiros a proteção deste espaço.

Esta tarde, um helicóptero acionado para o combate ao incêndio sofreu um acidente, mas o piloto saiu apenas com escoriações ligeiras, apesar de ter sido levado para o hospital de Vila Real por precaução, afirmou a Autoridade Nacional de Proteção Civil em comunicado.

O aparelho Ecureueil AS350B3 estava a despistar uma anomalia no funcionamento do balde com que recolhe a água para combater os incêndios quando teve um problema.

O piloto desligou os circuitos elétricos e a alimentação de combustível e ainda conseguiu sair do aparelho pelo próprio pé.

A GNR isolou a área do acidente e está a recolher indícios para enviar ao Gabinete de Prevenção e Investigação com Aeronaves e Acidentes Ferroviários.

Lusa

  • Sismo registado esta manhã na região de Lisboa

    País

    Um sismo foi sentido esta manhã na região da Grande Lisboa. O abalo foi registado às 7h44, com epicentro em Sobral de Monte Agraço e magnitude de 4.3, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

    Em atualização

  • "É terrorismo, politiquice e interesse económico"
    0:45

    País

    A situação em Mação, no distrito de Santarém, continua muito complicada para os operacionais e para as populações que tentam combater as chamas. Os populares dizem que é de "lastimar" a aflição que se vive.

  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.