sicnot

Perfil

País

Autarca de Abrantes suspeita que fogos tenham origem criminosa

(Arquivo)

PAULO CUNHA

A presidente da Câmara Municipal de Abrantes disse este domingo que tudo indica que os incêndios no concelho, em fase de resolução desde a manhã de hoje, tenham origem criminosa e aguarda agora os resultados das investigações em curso.

"Temos a clara noção de que há aqui uma clara tentativa de provocar mais danos. O que aconteceu ontem [sexta-feira] às portas da cidade claramente não foi um reacendimento ou uma projeção, foi um novo incêndio e temos receio de que outras situações possam acontecer e comprometer o trabalho que foi feito durante estes dois dias e meio aqui no concelho de Abrantes", disse à Lusa Maria do Céu Albuquerque.

A autarca afirma que as suspeitas não se circunscrevem apenas ao incêndio que começou junto aos limites da cidade, mas também "ao grande incêndio", que consumiu uma vasta área de floresta e colocou aldeias e pessoas em perigo.

"Neste momento estão no terreno as entidades competentes para fazer essa avaliação e esperamos que seja conclusiva e que em breve possamos encontrar os responsáveis por esta calamidade que assolou o meu concelho", acrescentou a presidente da câmara de Abrantes, adiantando também que será feito um patrulhamento no concelho durante os próximos dias.

O fogo entrou esta manhã em fase de resolução, mas todo o dispositivo permanece no terreno, em trabalho de consolidação e rescaldo, sobretudo "nos pontos quentes que ainda se fazem sentir e que são determinantes para consolidar este incêndio e evitar reacendimentos ou novos focos de incêndio", como explicou a autarca.

As previsões meteorológicas não preveem vento para o dia deste sábado, que tem sido um dos grandes obstáculos ao combate ao fogo na região pelos bombeiros, nem temperaturas "excessivamente altas", acrescentou.

A meio da manhã, o comandante dos bombeiros voluntários de Abrantes tinha adiantado à Lusa que o incêndio que lavra naquele concelho do distrito de Santarém desde quarta-feira estava "sem frentes ativas", apesar de alguns reacendimentos noturnos.

O incêndio, que deflagrou às 18:14 de quarta-feira em Aldeia do Mato, União de Freguesias de Aldeia do Mato e Souto, no concelho de Abrantes, mobilizava, por volta das 10:30, um total de 544 operacionais, apoiados por 187 viaturas e um meio aéreo.

A autoestrada 23 (A23), que esteve cortada nos acessos a Rio Moinhos, na zona de Abrantes, foi reaberta às 00:43, segundo fonte da Proteção Civil nacional.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43