sicnot

Perfil

País

Marinha serviu mais de 300 refeições em apoio aos operacionais em Alvaiázere

Paulo Cunha

Os fuzileiros já serviram este domingo mais de 300 refeições aos operacionais que estão no combate às chamas que lavram no concelho de Alvaiázere, em Leiria, estando disponíveis para apoiar as populações, disse à Lusa fonte da Marinha.

"Até ao momento já servimos mais de 300 refeições hoje e estimamos que até final do dia ultrapasse as 800 refeições servidas. Este apoio destina-se aos operacionais no terreno, mas estamos disponíveis para apoiar as populações, se for necessário", disse à Lusa o comandante Pedro Coelho Dias, porta-voz da Marinha.

A cozinha de campanha em Alvaiázere assegurará a distribuição 800 refeições por dia aos operacionais no terreno, até que seja necessário.

A Marinha recebeu no sábado, no espaço de 12 horas, três pedidos de apoio para que deslocassem militares para três áreas geográficas distintas do país, para missões de apoio à população e aos operacionais no combate aos incêndios nestas áreas, em colaboração com as corporações de bombeiros e meios da Proteção Civil.

Foram enviados dois pelotões para a localidade de Barqueira, concelho de Alvaiázere, dois pelotões para Marujal, concelho de Montemor-o-Velho, e um pelotão para Caldas de Felgueira, concelho de Nelas.

"Durante o sábado recebemos três pedidos de apoio para três áreas geográficas distintas e colocamos cinco pelotões nessas áreas, com um total de cerca de 120 militares. Durante uma patrulha na manhã de hoje, uma equipa dos Fuzileiros já detetou e interveio em duas reativações de incêndios no concelho de Alvaiázere, extinguindo por completo estes focos e impedindo que o fogo se propagasse", explicou o porta-voz da Marinha.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43