sicnot

Perfil

País

Centenas marcaram presença nas cerimónias fúnebres do bispo do Porto

Centenas de pessoas marcaram presença nas cerimónias fúnebres do bispo do Porto, António Francisco dos Santos, que morreu na segunda-feira, grande parte delas com flores brancas na mão.

O funeral, que começou às 15:00 em ponto na Sé Catedral do Porto, tal como estava marcado, iniciou com os sinos a tocar durante cerca de cinco minutos, tendo depois a homilia sido presidida pelo cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente.


Apesar da vontade de assistir, as muitas pessoas presentes no Largo da Sé do Porto não puderam entrar, ficando a aguardar da parte de fora, grande parte delas com flores brancas na mão e uma imagem de António Francisco dos Santos, lamentando uma "grande perda".


No final da homilia, cerca das 16:30, o corpo do bispo do Porto foi colocado no varandim para o ritual da encomendação da alma, momento onde todos os presentes puderam despedir-se.


O corpo foi sepultado na Sé Catedral do Porto, na Capela de São Vicente, num momento privado e reservado apenas à família.


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, prestaram hoje homenagem ao bispo do Porto nas cerimónias fúnebres que contaram com a presença de várias entidades, desde dirigentes políticos e desportivos, dirigentes de instituições de ensino, representantes de associações, candidatos autárquicos e autarcas.


O bispo do Porto, António Francisco dos Santos, morreu pelas 09:30 de segunda-feira, aos 69 anos, vítima de ataque cardíaco.
António Francisco dos Santos sucedeu em 2014 a Manuel Clemente, desde 2013 cardeal-patriarca de Lisboa.


Nascido a 29 de agosto de 1948, António Francisco dos Santos era bispo de Aveiro quando, em fevereiro de 2014, foi nomeado bispo do Porto pelo papa Francisco.


Francisco dos Santos era natural da freguesia de Tendais, concelho de Cinfães, Viseu.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.