País

Marcha das Galdérias volta sábado ao Porto pelo fim do assédio

Marcha das Galdérias no Porto em setembro de 2017

Facebook Slutwalk Porto

"O único remédio é acabar com o assédio" é o lema para a quinta edição da Marcha das Galdérias do Porto. O movimento feminista sai à rua no próximo sábado, pelas 23h00.

Tudo começou em Toronto, no ano de 2011, quando um polícia disse que as mulheres deviam evitar vestir-se como "galdérias" para não serem vítimas de ataques sexuais. Foi assim que se deu início ao fómeno global denominado por "SlutWalk".

A marcha, que é organizada à semelhança de outras já realizadas, é "um movimento internacional feminista que não subscreve nenhuma ideologia política em particular" nem parte "de nenhuma organização oficial", visando apenas a "igualdade de direitos, independentemente de géneros, orientação sexual, raça ou credo", esclareceu à Lusa a organizadora Luísa Cativo.

"O que pretendemos, acima de tudo, é que a mulher seja cada vez mais autónoma e determinada por ela própria, e não pelas pressões ou expectativas da sociedade em relação ao seu género", referiu. O evento, acrescentou, procura mostrar indignação e lutar para que "todos possam ser o mais livre possíveis" sem que sofram "violência ou assédio por causa disso".

O percurso começará na Praça Carlos Alberto e terminará na Praça D. Filipa de Lencastre, passando pela Cordoaria e pela Praça dos Leões, percorrendo a "zona de vida noturna do Porto", que representa "o público-alvo" da organização, explicou Luísa Cativo.

A iniciativa é mais focada "nas mulheres e noutras minorias", mas pode participar "qualquer pessoa que se reveja nos objetivos do evento", bastando apenas "estar presente", sem qualquer tipo de roupa ou acessórios obrigatórios.

"[Os participantes] têm liberdade de auto expressão, é esse o objetivo da marcha no final de contas", frisou.

Não havendo registo de dados oficias, a organizadora reconhece que desde 2011, ano da primeira edição, se têm juntado mais pessoas à causa, acreditando que "vai havendo uma maior desmitificação da marcha e dos princípios" a ela associados.

Na cidade do Porto, o grupo que organiza a Marcha das Galdérias é composto por cerca de 15 pessoas envolvidas ativamente, trabalhadoras e de classe média, com idades compreendidas entre os 20 e os 35, das mais diferentes áreas, como criminologia, fotografia, comunicação, política e organização de eventos.

"É um grupo muito diversificado que tem em comum a vontade de querer mudar a sociedade e o papel da mulher no espaço público".

A marcha regista já quatro edições: em 2011 criou-se o movimento e as últimas edições foram em 2012, 2015 e 2016.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC