País

Santana Lopes: o homem dos sete ofícios

Além de chefe de Governo, Santana Lopes foi líder do PSD, presidente das Câmaras da Figueira da Foz e da de Lisboa e desempenha atualmente as funções de provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Primeiro-ministro entre julho de 2004 e março de 2005, Pedro Miguel Santana Lopes nasceu a 29 de junho de 1956 e é militante do PSD desde 1976, tendo chegado pela primeira ao parlamento pelas listas sociais-democratas em 1980.


Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros no X Governo Constitucional, no primeiro Governo de Cavaco Silva, de novembro de 1985 a agosto de 1987, deputado ao Parlamento Europeu de julho de 1987 a julho de 1989, e secretário de Estado da Cultura do XI e XII Governos Constitucionais, foram outros dos cargos exercidos por Santana Lopes.


A experiência autárquica de Santana Lopes começou na Figueira da Foz, exercendo a presidência desta autarquia entre 1998 e 2001, quando se candidatou e venceu contra o socialista João Soares a Câmara Municipal de Lisboa.


Exerceu o mandato entre janeiro de 2002 e julho de 2004 e, depois, de março a setembro de 2005.


Entre esses dois períodos, Santana Lopes assumiu a liderança do PSD - quando Durão Barroso saiu para ocupar o cargo de presidente da Comissão Europeia em Bruxelas - e o cargo de primeiro-ministro do Governo de coligação PSD/CDS-PP, mas sem ir a votos.


Santana Lopes era então vice-presidente do PSD - depois de em 2000 ter disputado e perdido a liderança do partido para Durão Barroso - e foi eleito líder do PSD em Conselho Nacional e depois confirmado em Congresso.


No entanto, em dezembro, poucos meses depois de tomar posse, o então Presidente da República Jorge Sampaio acaba por dissolver a Assembleia da República e Santana Lopes demite-se, ficando-o Governo em gestão até às eleições legislativas de março de 2005.


Nas eleições, o PS de José Sócrates alcançou a sua primeira maioria absoluta, e Santana Lopes voltou à Assembleia da República. Quando Luís Filipe Menezes ganhou a liderança do partido a Marques Mendes em outubro em 2007, assumindo a presidência do grupo parlamentar.


Em 2008, disputou pela segunda vez a liderança do PSD, que perdeu para Manuela Ferreira Leite, ficando atrás do segundo candidato mais votado, Pedro Passos Coelho.


Em 2009 foi, de novo, candidato ao município de Lisboa pelo PSD, o CDS-PP, o MPT - Partido da Terra e o PPM, mas perdeu para António Costa, mantendo-se, no entanto, como vereador da oposição, líder de bancada do PSD, até ao anúncio da candidatura de Fernando Seara, em 2013.


Desde 2011, ocupa o cargo de provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, sendo já a personalidade que por mais tempo ocupou o cargo desde o 25 de abril.


Nas eleições presidenciais de 2011, chegou a ponderar uma candidatura, tal como nas últimas autárquicas, quando foi desafiado pelo líder do PSD Pedro Passos Coelho a concorrer novamente à Câmara da capital, mas, em ambos os casos, acabaria por não se apresentar a votos.

Com Lusa

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34
  • "Não deveria ter aceitado jogar naquela final"
    1:40

    Desporto

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete e da final da Taça de Portugal, pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • Marcelo volta a levantar dúvidas sobre 2.º mandato
    2:11
  • Marcelo acredita na livre circulação no espaço da CPLP
    0:45

    País

    O Presidente da República que avançar na proposta da mobilidade de cidadãos no espaço da CPLP. Na noite de terça-feira, no discurso que fez na abertura da Cimeira de Cabo Verde, Marcelo não esqueceu as mudanças no sentido da democracia e valores que se concretizaram desde a última cimeira, em Brasília, há dois anos.

  • Veleiro preso em cabos elétricos na Ria de Aveiro
    1:39

    País

    O mastro de um veleiro embateu e ficou preso num cabo elétrico. O incidente, sem consequências para a tripulação de nacionalidade dinamarquesa ocorreu, ao fim da tarde de terça-feira, na ria de Aveiro.