sicnot

Perfil

País

Desde 2000 morreram 165 pessoas em incêndios florestais

Desde 2000, morreram em incêndios florestais 165 pessoas, sendo 2017, com as 64 vítimas mortais de Pedrógão, o mais mortífero desde que há registo, indicou o relatório da comissão técnica que analisou os fogos de junho na região Centro.

De acordo com o relatório da comissão técnica independente designada para analisar os fogos de junho na região Centro, hoje divulgado, entre 2000 e 2017 "registou-se a perda de 165 vidas humanas como um resultado direto de incêndios florestais, das quais 112 civis e 53 operacionais combatentes".

O ano de 2017 foi "o mais trágico desde que há registos, muito mais do que os anos de 2003 e 2005, em que a área ardida foi substancialmente superior", acrescentou a comissão.

O relatório incluiu nos números de operacionais do combate aos incêndios as fatalidades em acidentes rodoviários ou com meios aéreos.Já no caso das perdas das vidas de civis, "muitas vezes, são recorrentes os casos de agricultores idosos, vítimas de fogueiras, queimas e queimadas em relação às quais perderam o controlo".

"As estatísticas sobre fatalidades humanas relacionadas com o fogo indicam, infelizmente, que estas são comuns em Portugal, embora nunca com a dimensão da tragédia de 2017", é salientando no relatório.

O documento apresenta alguns exemplos de anos particularmente mortíferos no século passado, nomeadamente o de 1966, com a morte de 25 operacionais em Sintra, de 1985, com a morte de 14 operacionais em Armamar, e de 1986, com a morte de três civis e de 13 operacionais em Águeda.

Além das vítimas mortais, muitas pessoas ficam feridas nos incêndios e, em 2003, mais de mil pessoas precisaram de assistência médica por causa da inalação de fumo, de queimaduras, de ferimentos e de outros problemas relacionados com o fogo, exemplificou a comissão, salientando ainda que neste ano os danos em edifícios causaram quase 200 desalojados.

O relatório hoje entregue no parlamento analisa os fogos ocorridos entre 17 e 24 de junho na região Centro. O fogo de Pedrógão Grande, que causou 64 mortos e cerca de 200 feridos, deflagrou no dia 17 de junho e só foi extinto uma semana depois, tal como o incêndio que teve início em Góis (distrito de Coimbra). Os dois fogos, que consumiram perto de 50 mil hectares em conjunto, mobilizaram mais de mil operacionais no combate às chamas.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:57

    País

    O Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje chuva fraca a norte do sistema Montejunto-Estrela com subidada temperatura mínima. Céu muito nublado ou encoberto, apresentando-se em geral pouco nublado no Baixo Alentejo e no Algarve até meio da manhã. Períodos de chuva fraca ou chuvisco nas regiões a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela, mais frequentes no Minho e Douro Litoral e a partir da tarde.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.