sicnot

Perfil

País

Primeiro-ministro enfrenta incêndios e "falhanço do Estado" no Parlamento

Aqui às 15:00

MANUEL DE ALMEIDA

A nova vaga de incêndios do fim de semana, que provocou pelo menos 41 mortos, será um dos temas do debate quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa, na Assembleia da República."

"O falhanço do Estado" foi o tema escolhido pelo PSD, enquanto o PCP irá questionar o chefe do executivo socialista sobre "a prevenção e a resposta aos problemas dos fogos florestais" e o PEV confrontará António Costa com "questões relacionadas com o drama dos fogos florestais".

O PS, que abrirá o debate, indicou como tema as "questões sociais e económicas", o BE optou pelas "políticas sociais, economia e relações internacionais" e o CDS-PP pelas "políticas de soberania, sociais e económicas".

O debate quinzenal com António Costa acontece um dia depois de os democratas-cristãos terem anunciado que vão apresentar uma moção de censura ao Governo em resultado dos incêndios e devido à falha em "cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas".

Também na quarta-feira, numa declaração ao país, o Presidente da República falou dos fogos, advertindo que usará todos os seus poderes contra a fragilidade do Estado que considerou existir face aos incêndios que mataram mais de 100 pessoas desde junho e defendeu que se justifica um pedido de desculpa.

Na declaração ao país, feita a partir da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, sobre os incêndios que deflagraram no domingo, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que é essencial o parlamento clarificar o seu apoio ao Governo, face à moção de censura do CDS-PP, para "se evitar um equívoco" ou "reforçar o mandato para as reformas inadiáveis".

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu também que se houver margens orçamentais, deve ser dada "prioridade à floresta e à prevenção dos fogos, considerando que esta "é a última oportunidade" para se agir nesta matéria.

As centenas de incêndios que deflagraram, no domingo, no Norte e Centro de Portugal, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram pelo menos 41 mortos e 71 feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Ao debate quinzenal, seguir-se-á o debate com António Costa preparatório do Conselho Europeu de quinta e sexta-feira, em Bruxelas.Sobre esta reunião, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou que Portugal defende que o Conselho Europeu dê um "sinal político de empenhamento" da União Europeia a 27 e do Reino Unido em avançar com as negociações do 'Brexit'.

Com Lusa

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Admirável mundo novo
    16:17