sicnot

Perfil

País

Portugal e Espanha vão sofrer "secas gigantes" com duração de 15 anos

As ruínas da antiga aldeia espanhola de Mansilla de la Sierra, normalmente submersas, estão agora à vista dada a seca prolongada.

Vincent West / Reuters

O sul da Europa está a aquecer mais rapidamente que a média mundial. No final deste século, Portugal e Espanha poderão vir a sofrer secas gigantes que vão durar vários anos e partes da Península Ibérica serão transformadas em deserto.

Se as piores previsões da Universidade de Newcastle se concretizarem, a partir de 2100 Portugal e Espanha vão ter períodos de 15 anos com níveis de chuva muito baixos

As projeções dos investigadores da universidade britânica baseiam-se em 15 diferentes modelos climáticos usados pelos organismos mundialmente reconhecidos, como a NASA ou o Instituto Meteorológico Max Planck.

Embora cada um dos modelos climáticos tenha produzido diferentes resultados, a verdade é que aqueles que prevêem "futuras secas extremas" acertaram em anteriores previsões, sublinham os investigadores no artigo publicado este ano no International Journal of Climatology.

Portugal está a atravessar a 8ª situação de seca severa ou extrema desde 1940, com a mais grave no período entre 2004 e 2006.

Espanha teve três grandes períodos de seca, com a última a durar cinco anos, entre 1990-1995. Mas tem vindo a sofrer vários períodos mais pequenos de seca nos últimos anos.

Os investigadores analisaram os dados dos três maiores rios da Península Ibérica. "Em todos os modelos climáticos se prevê a intensificação da seca no Douro, Tejo e Guadiana", referem.

"Alguns prevêem pequenos aumentos nas condições de seca, mas a maioria prevê secas, que podem durar 8 a 15 anos anos, com médias anuais de chuva muito baixas", salientam os investigadores.

Portugal continental em situação de seca severa (24,8%) e extrema (75,2%)

A seca agravou-se em outubro e está a afetar todo o território de Portugal continental. O mês de outubro foi o mais quente dos últimos 87 anos, com o valor da temperatura média do ar cerca de três graus acima do normal.

Campos estão secos e sem pastagens e os animais têm cada vez menos alimento

Portugal está a atravessar uma situação de seca severa ou extrema, a situação mais grave desde 1940. Os campos estão secos e sem pastagens e os alimentos para os animais são cada vez menos. Os produtores pecuários dizem que as rações e palha não são suficientes para alimentar os animais.

Ovelhas comem o feno espalhado manualmente por trabalhadores devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.
1 / 15

Ovelhas comem o feno espalhado manualmente por trabalhadores devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

Trabalhadores alimentam com feno um rebanho de ovelhas no Alentejo.
2 / 15

Trabalhadores alimentam com feno um rebanho de ovelhas no Alentejo.

NUNO VEIGA

Um trabalhador espalha um suplemento alimentar para um conjunto de animais mais fracos devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.
3 / 15

Um trabalhador espalha um suplemento alimentar para um conjunto de animais mais fracos devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

4 / 15

NUNO VEIGA

5 / 15

NUNO VEIGA

6 / 15

NUNO VEIGA

Cabras alimentam-se num comedouro devido à falta de pastagens.
7 / 15

Cabras alimentam-se num comedouro devido à falta de pastagens.

NUNO VEIGA

8 / 15

NUNO VEIGA

O produtor pecuário Joaquim Martinho coloca "luzerna" num comedouro para alimentar um rebanho de cabras.
9 / 15

O produtor pecuário Joaquim Martinho coloca "luzerna" num comedouro para alimentar um rebanho de cabras.

NUNO VEIGA

A barragem da herdade de José Maria Vaz Freire, agricultor que possui mais de 200 bovinos, está a 10% da capacidade, impossibilitando regar os 12 hectares de culturas que planta para alimentar os animais, Mora, 2 de novembro de 2017.
10 / 15

A barragem da herdade de José Maria Vaz Freire, agricultor que possui mais de 200 bovinos, está a 10% da capacidade, impossibilitando regar os 12 hectares de culturas que planta para alimentar os animais, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

O agricultor José Maria Vaz Freire junto a uma ribeira seca que habitualmente "alimenta" a barragem da herdade.
11 / 15

O agricultor José Maria Vaz Freire junto a uma ribeira seca que habitualmente "alimenta" a barragem da herdade.

NUNO VEIGA

12 / 15

NUNO VEIGA

Vacas bebem num bebedouro junto a um poço que ainda tem água, na herdade do agricultor José Maria Vaz Freire, em Mora.
13 / 15

Vacas bebem num bebedouro junto a um poço que ainda tem água, na herdade do agricultor José Maria Vaz Freire, em Mora.

NUNO VEIGA

14 / 15

NUNO VEIGA

Com a totalidade do território de Portugal continental, no final de outubro, em seca severa (24,8%) e extrema (75,2%), o Alentejo é das zonas mais afetadas.
15 / 15

Com a totalidade do território de Portugal continental, no final de outubro, em seca severa (24,8%) e extrema (75,2%), o Alentejo é das zonas mais afetadas.

NUNO VEIGA

  • Rússia vence Egito e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Rússia

    A anfitriã Rússia venceu esta terça-feira o Egito por 3-1, em jogo da 2.ª jornada do grupo A. A seleção russa ficou assim muito perto de garantir o apuramento para os oitavos de final e deixou o Egito quase fora da fase seguinte.

  • O abraço de Marcelo à mascote do Mundial
    0:12
  • Português que saiu de bicicleta de Alenquer já chegou à Rússia
    2:26
  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.