sicnot

Perfil

País

Portugal e Espanha vão sofrer "secas gigantes" com duração de 15 anos

As ruínas da antiga aldeia espanhola de Mansilla de la Sierra, normalmente submersas, estão agora à vista dada a seca prolongada.

Vincent West / Reuters

O sul da Europa está a aquecer mais rapidamente que a média mundial. No final deste século, Portugal e Espanha poderão vir a sofrer secas gigantes que vão durar vários anos e partes da Península Ibérica serão transformadas em deserto.

Se as piores previsões da Universidade de Newcastle se concretizarem, a partir de 2100 Portugal e Espanha vão ter períodos de 15 anos com níveis de chuva muito baixos

As projeções dos investigadores da universidade britânica baseiam-se em 15 diferentes modelos climáticos usados pelos organismos mundialmente reconhecidos, como a NASA ou o Instituto Meteorológico Max Planck.

Embora cada um dos modelos climáticos tenha produzido diferentes resultados, a verdade é que aqueles que prevêem "futuras secas extremas" acertaram em anteriores previsões, sublinham os investigadores no artigo publicado este ano no International Journal of Climatology.

Portugal está a atravessar a 8ª situação de seca severa ou extrema desde 1940, com a mais grave no período entre 2004 e 2006.

Espanha teve três grandes períodos de seca, com a última a durar cinco anos, entre 1990-1995. Mas tem vindo a sofrer vários períodos mais pequenos de seca nos últimos anos.

Os investigadores analisaram os dados dos três maiores rios da Península Ibérica. "Em todos os modelos climáticos se prevê a intensificação da seca no Douro, Tejo e Guadiana", referem.

"Alguns prevêem pequenos aumentos nas condições de seca, mas a maioria prevê secas, que podem durar 8 a 15 anos anos, com médias anuais de chuva muito baixas", salientam os investigadores.

Portugal continental em situação de seca severa (24,8%) e extrema (75,2%)

A seca agravou-se em outubro e está a afetar todo o território de Portugal continental. O mês de outubro foi o mais quente dos últimos 87 anos, com o valor da temperatura média do ar cerca de três graus acima do normal.

Campos estão secos e sem pastagens e os animais têm cada vez menos alimento

Portugal está a atravessar uma situação de seca severa ou extrema, a situação mais grave desde 1940. Os campos estão secos e sem pastagens e os alimentos para os animais são cada vez menos. Os produtores pecuários dizem que as rações e palha não são suficientes para alimentar os animais.

Ovelhas comem o feno espalhado manualmente por trabalhadores devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.
1 / 15

Ovelhas comem o feno espalhado manualmente por trabalhadores devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

Trabalhadores alimentam com feno um rebanho de ovelhas no Alentejo.
2 / 15

Trabalhadores alimentam com feno um rebanho de ovelhas no Alentejo.

NUNO VEIGA

Um trabalhador espalha um suplemento alimentar para um conjunto de animais mais fracos devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.
3 / 15

Um trabalhador espalha um suplemento alimentar para um conjunto de animais mais fracos devido à falta de pastagens provocada pela seca no Alentejo, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

4 / 15

NUNO VEIGA

5 / 15

NUNO VEIGA

6 / 15

NUNO VEIGA

Cabras alimentam-se num comedouro devido à falta de pastagens.
7 / 15

Cabras alimentam-se num comedouro devido à falta de pastagens.

NUNO VEIGA

8 / 15

NUNO VEIGA

O produtor pecuário Joaquim Martinho coloca "luzerna" num comedouro para alimentar um rebanho de cabras.
9 / 15

O produtor pecuário Joaquim Martinho coloca "luzerna" num comedouro para alimentar um rebanho de cabras.

NUNO VEIGA

A barragem da herdade de José Maria Vaz Freire, agricultor que possui mais de 200 bovinos, está a 10% da capacidade, impossibilitando regar os 12 hectares de culturas que planta para alimentar os animais, Mora, 2 de novembro de 2017.
10 / 15

A barragem da herdade de José Maria Vaz Freire, agricultor que possui mais de 200 bovinos, está a 10% da capacidade, impossibilitando regar os 12 hectares de culturas que planta para alimentar os animais, Mora, 2 de novembro de 2017.

NUNO VEIGA

O agricultor José Maria Vaz Freire junto a uma ribeira seca que habitualmente "alimenta" a barragem da herdade.
11 / 15

O agricultor José Maria Vaz Freire junto a uma ribeira seca que habitualmente "alimenta" a barragem da herdade.

NUNO VEIGA

12 / 15

NUNO VEIGA

Vacas bebem num bebedouro junto a um poço que ainda tem água, na herdade do agricultor José Maria Vaz Freire, em Mora.
13 / 15

Vacas bebem num bebedouro junto a um poço que ainda tem água, na herdade do agricultor José Maria Vaz Freire, em Mora.

NUNO VEIGA

14 / 15

NUNO VEIGA

Com a totalidade do território de Portugal continental, no final de outubro, em seca severa (24,8%) e extrema (75,2%), o Alentejo é das zonas mais afetadas.
15 / 15

Com a totalidade do território de Portugal continental, no final de outubro, em seca severa (24,8%) e extrema (75,2%), o Alentejo é das zonas mais afetadas.

NUNO VEIGA

  • Défice caiu mais de 2,6 mil milhões de euros até outubro

    Economia

    O défice das administrações públicas foi de 1.838 milhões de euros até outubro, bem abaixo dos cerca de 4.500 milhões de há um ano. É "uma melhoria de 2.664 milhões de euros" em relação ao mesmo período do ano passado, aponta o Ministério das Finanças.

  • O que têm ice tea, colas e leite com chocolate em comum? O PAN explica
    1:36
  • Mulher salva dos carris segundos antes de chegar comboio
    0:34