sicnot

Perfil

País

Governo chama sindicatos dos professores para reunião em véspera de greve

Manuel Araujo / LUSA

Os dois maiores sindicatos de professores são recebidos hoje no Ministério da Educação para discutir o descongelamento das carreiras previsto na próximo Orçamento do Estado, mas duvidam que haja mudanças capazes de suspender a greve de amanhã.

Na véspera da greve geral de professores, que os sindicatos acreditam que poderá ser a maior da década, duas secretárias de Estado recebem esta tarde representantes da Federação Nacional de Professores (Fenprof) e da Federação Nacional da Educação (FNE), contaram à Lusa responsáveis daquelas duas estruturas sindicais.

Em causa está a polémica proposta de não contagem do tempo de serviço prevista na proposta do Orçamento de Estado para 2018 (OE2018), que será debatida na quarta-feira no parlamento.

"Ontem à meia-noite ligaram do ministério da Educação a dizer que iríamos receber uma convocatória de reunião com a secretária de Estado Adjunta, Alexandra Leitão", contou à Lusa João Dias da Silva, secretário-geral da FNE, que será recebido às 17:00.

Segundo Dias da Silva, o motivo da reunião é discutir o descongelamento da carreira, mas a convocatória "não especifica qual a proposta que vão apresentar" aos professores.

A FNE não tem grandes expectativas em relação à reunião de hoje, assim como a Fenprof, que entende que o encontro serve apenas para "criar uma ilusão".

"Não temos expectativas nenhumas, porque quem quer negociar seriamente não marca uma reunião para a tarde da véspera de uma greve. O Governo sente-se afetado e quer tentar criar uma ilusão, mas nós não a temos", disse à Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

Para Mário Nogueira, se o Governo estivesse interessado em negociar, teria marcado a reunião para mais cedo ou, pelo menos, o encontro de hoje contaria com a presença de um ministro.

"A reunião é com duas secretárias de Estado - Alexandra Leitão (Adjunta) e a secretária de Estado da Administração e Emprego - que não têm competências negociais. Só vamos à reunião porque somos pessoas educadas", criticou Mário Nogueira, lembrando que a Fenprof começou a pedir uma reunião a 12 de outubro, quando tomou conhecimento da proposta do OE2018.

A progressão na carreira dos professores está interrompida há uma década e, segundo a leitura feita pelos vários sindicatos, a proposta de OE2018 prevê que não seja contabilizado o trabalho realizado entre 31 de agosto de 2005 e 31 de dezembro de 2007 nem entre janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2018.

Os representantes sindicais percebem o impacto da reposição dos valores devidos e por isso dizem estar disponíveis para negociar essa reposição de forma gradual.

No entanto, dizem que nem ministério da Educação nem ministério das Finanças têm mostrado abertura para o diálogo, o que agrava o descontentamento dos docentes.

Os professores realizam na quarta-feira uma greve geral e uma concentração em frente ao parlamento, o que se poderá traduzir em escolas fechadas, alunos sem aulas e professores na rua.

Lusa

  • Rússia vence Egito e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Rússia

    A anfitriã Rússia venceu esta terça-feira o Egito por 3-1, em jogo da 2.ª jornada do grupo A. A seleção russa ficou assim muito perto de garantir o apuramento para os oitavos de final e deixou o Egito quase fora da fase seguinte.

  • O abraço de Marcelo à mascote do Mundial
    0:12
  • Português que saiu de bicicleta de Alenquer já chegou à Rússia
    2:26
  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.