País

Paula Brito e Costa afirma que única fraude da Raríssimas foi ela que a denunciou

Paula Brito e Costa diz que a única fraude que existiu na Raríssimas foi ela que a descobriu e garante que não regressa à IPSS mesmo que se prove que está inocente. Em entrevista ao semanário Expresso, a ex-presidente da associação responde a todas as perguntas sobre as acusações de que é alvo e aponta o dedo à antiga vice-presidente, Joaquina Teixeira, que acusa de fraude.

Paula Brito e Costa admite, no entanto, que comprou vestidos da marca Karen Miller e gambas no valor de 230 euros, tudo pago com o cartão de crédito da associação.

Quanto ao salário de 3 mil euros, garante que era paga não como presidente da instituição, mas como uma trabalhadora por conta de outrém, não se inserindo no regime de IPSS.

Em entrevista ao Expresso, Paula Brito e Costa diz que está magoada e que, mesmo que se prove que não houve gestão danosa, não vai regressar à Raríssimas. Exige ainda um pedido de desculpas do país.

Quase 90 trabalhadores e colaboradores da Raríssimas exigem o afastamento de Paula Brito e Costa do cargo que mantém como diretora-geral da instituição. O abaixo-assinado foi entregue à direção da Raríssimas e lido aos jornalistas pela porta-voz dos trabalhadores Rita Guerreiro.

  • "Merecia um pedido de desculpas do país", afirma Paula Brito e Costa
    1:31

    País

    Paula Brito e Costa diz que a única fraude que existiu na Raríssimas foi ela que a descobriu e garante que não regressa à IPSS mesmo que se prove que está inocente. Em entrevista ao semanário Expresso, a ex-presidente da associação responde a todas as perguntas sobre as acusações de que é alvo e aponta o dedo à ex-vice-presidente, Joaquina Teixeira que acusa de fraude. Paula Brito e Costa diz que está magoada e exige um pedido de desculpas ao país.

  • Ministro presenciou assinatura de protocolo entre Raríssimas e associação sueca
    3:00

    País

    Vieira da Silva voltou a garantir esta quinta-feira que está de consciência tranquila. Contudo, há ainda muito para explicar no envolvimento do ministro com a associação Raríssimas. Falta saber o que viu e o que sabia. O que deixou de ver e o que deveria ter visto. Há dois meses, por exemplo, Vieira da Silva esteve presente na assinatura de um protocolo entre a Raríssimas e uma associação sueca também dedicada a doenças raras.

  • Paula Brito e Costa recebeu milhares de euros de patrocinadores
    2:02

    País

    Paula Brito e Costa recebeu dinheiro de vários patrocinadores enquanto Presidente da Raríssimas. Entre os patrocinadores está a empresa MSD (Merck Sharp & Dohme) que doou 170 mil euros para a construção de um registo nacional de doenças raras. O projeto, que iria contar com a colaboração da Faculdade de Medicina de Lisboa, nunca chegou a arrancar. 

  • "Ponho as mãos no fogo pela honradez, pela honerabilidade do ministro Vieira da Silva"
    1:43

    Quadratura do Círculo

    A polémica em torno da Raríssimas esteve em debate no Quadratura do Círculo desta quinta-feira, em que António Lobo Xavier diz que, quer a direita, quer a esquerda, fazem acusações ao Estado e à Segurança Social que não são verdadeiras. José Pacheco Pereira garante que não pensaria duas vezes na decisão de despedir o ex-secretário de Estado Manuel Delgado. Por fim, Jorge Coelho diz que punha "as mãos no fogo" pelo ministro Vieira da Silva em como nunca se aproveitou de dinheiros públicos.

  • Há uma praga de gaivotas no Porto
    2:13
  • Construção civil volta a crescer
    0:49

    Economia

    Depois de anos a ser um dos setores mais penalizados pela crise a construção civil voltou a crescer. Em 2017 foram licenciados quase 19 mil edifícios, um aumento de 10% em relação ao ano anterior. 

  • Novo vídeo mostra rapazes tailandeses a dizer que estão bem e a agradecer apoio
    2:07