sicnot

Perfil

País

Moradores do prédio que ardeu no Porto falam em "más condições"

O prédio habitacional na Rotunda da Boavista, no Porto, onde deflagrou esta quarta-feira um incêndio, "não tem condições nenhumas", sendo já "muito velho", relataram à Lusa no local alguns dos moradores.

A viver num quarto desde janeiro, Francisco Silva relatou que foi a Segurança Social que o encaminhou para esta habitação, que "não tem condições nenhumas, com soalhos podres e uma cozinha para as 10 ou 12 pessoas" que lá residem.

No interior do prédio quando deflagrou o incêndio, o morador disse que se apercebeu de um "cheiro a fumo", que, logo depois, passou a ser intenso, tendo nessa altura saído ainda sem grandes problemas.

Contudo, relatou, um casal ficou lá dentro e a mulher, em aflição, saltou da janela e bateu no toldo de uma sapataria e, depois, rebolou para o chão. Já o homem desceu pelo tubo das águas pluviais, acrescentou. Dizendo que o imóvel está em "muito mau estado" de habitabilidade, Manuel Ferreira, a residir no prédio há um ano e meio, adiantou que as condições são "muito más", não havendo sequer água quente na cozinha, que é partilhada por todos.

A pagar uma renda de 200 euros, o morador realçou que, além da cozinha, também a casa de banho é comum. A viver no primeiro piso, Manuel Ferreira salientou ter sentido um cheiro a "plástico queimado" e viu muito fumo, altura em que saiu da habitação.

Apesar de não viver no prédio, Francisco Silva, que estava no local do incidente e que assistiu a tudo, descreveu que as pessoas foram saindo à medida que o fogo era mais intenso, tendo um casal lá ficado e a mulher acabado por saltar da janela.

O incêndio que ocorreu esta quarta-feira num prédio habitacional na Rotunda da Boavista, no Porto, deflagrou num quarto do primeiro andar e ficou circunscrito aí, disse o comandante dos Bombeiros Sapadores do Porto, Manuel Rebelo de Carvalho.

"Deparámo-nos com um incêndio que deflagrou num quarto do primeiro andar e ficou circunscrito apenas a esse quarto, sendo que os danos causados na restante habitação se devem ao intenso fumo e calor", explicou aos jornalistas, no local do incidente.

Neste momento, o prédio não reúne condições, revelou, sublinhando que a Proteção Civil está no local para proceder à sua avaliação e, se necessário, tratar do realojamento dos moradores.

O fogo provocou duas vítimas, um casal, tendo a mulher saltado da janela do segundo piso e sofrido ferimentos graves, já o homem desceu pelo tubo de queda das águas pluviais e, mais perto do solo, magoou-se, tendo ambos sido levados para o Hospital Santo António, adiantou.

De acordo com o Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) do Porto, o alerta para o incêndio na Praça Mouzinho de Albuquerque, conhecida como Rotunda da Boavista, foi dado pelas 18:27 e no local estavam viaturas dos sapadores bombeiros, elementos do INEM e PSP.

O trânsito, que esteve cortado em parte da rotunda enquanto decorriam os trabalhos, regressou à normalidade perto das 20:20, constatou a Lusa.

Lusa

  • Incêndio em prédio no Porto dado como extinto

    País

    O incêndio que deflagrou esta quarta-feira num prédio habitacional na Rotunda da Boavista foi dado como extinto pelas 19:17, encontrando-se em fase de rescaldo, disse fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro do (CDOS) Porto.

  • Mulher salta de 2.º andar de prédio em chamas no Porto

    País

    Um incêndio deflagrou na tarde desta quarta-feira num prédio habitacional na Rotunda da Boavista, no Porto, disse fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro do Porto (CDOS). Testemunhas ouvidas no local revelaram que uma mulher tinha saltado do segundo andar do prédio para escapar às chamas, caindo sobre o toldo de uma sapataria. O incêndio foi dado como extinto por volta das 19:20.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.