País

Movimento anti-petróleo pede demissão do secretário de Estado da Energia

FILIPE FARINHA

O Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP) pediu a demissão do secretário de Estado da Energia por considerar que "mentiu aos portugueses" quando invocou a rejeição das providências cautelares para impedir o furo em Aljezur para prolongar a licença.

"Como se pode confiar num Governo que se pauta por uma conduta de engano permanente às populações, de que fará uma Avaliação de Impacto Ambiental independente e séria?", questionou o MALP, em comunicado, sublinhando que Jorge Seguro Sanches "se deve demitir", porque "faltou à verdade".

Segundo o MALP, não só a providência cautelar interposta pela Plataforma Algarve Livre de Petróleo decorria ainda a 08 de janeiro, data em que o secretário de Estado assinou o prolongamento, por mais um ano, dos direitos de prospeção das concessões localizadas ao largo da costa vicentina, como ainda decorre outra providência cautelar, interposta Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

"Um governante que mente descaradamente em público não tem condições para se manter no seu cargo", acusa o MALP, cujos elementos vão, na próxima quinta-feira, promover um buzinão junto à Câmara de Loulé para manifestar o seu descontentamento "com a total falta de respeito do Governo socialista" com as populações do Algarve.

O MALP quer ainda saber se António Costa "vai responder ao pedido de audiência urgente" dos autarcas do Algarve, formulado há uma semana e meia numa reunião realizada em Loulé, que juntou mais de trinta representantes de autarquias, dos setores empresarial e turístico e de movimentos ambientalistas.

"A falta de respeito pelos autarcas e pelas principais associações representativas das populações da região do Algarve por parte do governo socialista apoiado pelo PCP, pelo BE e pelos Verdes, é total", lamentam.

De acordo com o MALP, à recusa das populações do Algarve "em ver as suas praias manchadas de petróleo o Governo respondeu com o prolongamento do prazo" de prospeção de petróleo por um ano.

"O embuste e as manobras dilatórias do Governo da 'geringonça' para conseguir avançar com a exploração de petróleo no Algarve e, ao mesmo tempo, conter a contestação social é simplesmente execrável", concluem, acusando o Governo de "assobiar para o lado".

Em maio do ano passado, a Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) interpôs uma providência cautelar contra o Ministério do Mar, por ter autorizado furos de sondagem na Costa Vicentina, mas no final de fevereiro as partes acordaram em suspender os procedimentos por três meses.

"Em termos práticos, com providências cautelares a correr nos tribunais, o consórcio ENI/Galp não pode iniciar quaisquer trabalhos, sejam preparatórios ou de prospeção, ao largo de Aljezur", esclareceu a PALP.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC