sicnot

Perfil

País

Alunos querem aulas mais interativas e mais curtas para aprender melhor

Aulas mais práticas e interativas, mas também mais curtas e intervalos mais longos que permitam conviver com os colegas, são recomendações de centenas de alunos para uma escola "onde dá vontade de estar e aprender mais".

Esta a opinião de muitos dos 2.643 alunos de 50 escolas, de norte a sul do país, que foram convidados há um ano a pensar no que está bem e no que pode ser melhorado para que as escolas funcionem melhor.

Os alunos passam a maior parte do dia na escola e muitos querem vê-la como uma segunda casa, com funcionários que os ajudam e professores com quem mantêm uma boa relação.

As sugestões dos estudantes, do 7.º ao 12.º ano, foram esta segunda-feira apresentadas publicamente em Lisboa, numa cerimónia que contou com a presença do secretário de estado da Educação, João Costa, que garantiu que as ideias dos alunos "têm sido muito importantes" para o trabalho feito no ministério.As opiniões dos estudantes sintetizam-se em onze grandes recomendações e João Costa começou por sublinhar a ideia que mais o surpreendeu: os jovens consideram que é essencial para as suas aprendizagens "sentirem-se acolhidos na escola".

Os alunos acreditam que os professores fazem a diferença, principalmente quando ensinam, mas também quando criam uma boa relação com a sua turma, não existindo uma relação de superioridade.

"Os professores conseguem dar-nos vontade, ou não, de estar numa sala de aula e aprender aquela matéria", lê-se no livro "Prós da Educação Inspiram", divulgado esta segunda-feira e que resume as posições dos estudantes.

Os alunos dizem que aprendem mais quando as aulas são mais curtas e dinâmicas e as matérias são dadas num ambiente divertido e relaxado. "A sala de aula não pode ser um silenciador", alertou João Costa, criticando as aulas expositivas, em que não há troca de opiniões.

No entanto, o secretário de Estado sublinhou que a maioria das escolas faz um trabalho incrível, apesar de reconhecer que ainda existem algumas onde "às vezes parece que é mais importante ter o aluno adormecido do que acordado", lamentou.

Mas o que é que ajuda a ter vontade de ir para a escola? Especialistas dizem que é conhecer melhor os colegas, o que é possível quando trabalham juntos na sala de aula, mas também através de atividades entre turmas e outros convívios.

"Ter amigos na escola é saber que há alguém à minha espera", lê-se no livro, que refere que os "amigos" foi um tema abordado nas 50 escolas.Também nas 50 escolas os alunos se queixaram das aulas de 90 minutos, reconhecendo que não é possível estar concentrado durante tanto tempo, defendendo que deveriam ter a duração máxima de uma hora.

Em sentido contrário, os intervalos deveriam ser maiores, para que pudessem conviver, descansar e recarregar baterias, caso contrário, com pausas demasiado curtas, "os alunos vão para as aulas e acham que ainda estão no intervalo".

Escolas onde se pode fazer desporto ou teatro, assim como intercâmbios, festas ou voluntariado também seriam espaços mais interessantes, até porque seria uma oportunidade para descobrir outros talentos e conhecer novos colegas.

Os alunos não se esqueceram da importância dos funcionários, sublinhando que é essencial ser recebido de manhã com um sorriso e saber que existe sempre alguém a quem podem recorrer: "Sem funcionários, a escola fecha".

Uma escola onde se sintam confortáveis, cantinas com refeições variadas, alterar o peso dos testes na avaliação, que devia passar a ter mais em conta o trabalho realizado na sala de aula e mais liberdade na escolha das matérias que se aprendem são outras das propostas dos estudantes.

João Costa lembrou que muitas das ideias dos alunos já eram defendidas por especialistas, como os métodos ativos na sala de aula ou a maior liberdade dada às escolas, que já está em curso através do programa de flexibilidade curricular.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.