sicnot

Perfil

País

Alunos querem aulas mais interativas e mais curtas para aprender melhor

Aulas mais práticas e interativas, mas também mais curtas e intervalos mais longos que permitam conviver com os colegas, são recomendações de centenas de alunos para uma escola "onde dá vontade de estar e aprender mais".

Esta a opinião de muitos dos 2.643 alunos de 50 escolas, de norte a sul do país, que foram convidados há um ano a pensar no que está bem e no que pode ser melhorado para que as escolas funcionem melhor.

Os alunos passam a maior parte do dia na escola e muitos querem vê-la como uma segunda casa, com funcionários que os ajudam e professores com quem mantêm uma boa relação.

As sugestões dos estudantes, do 7.º ao 12.º ano, foram esta segunda-feira apresentadas publicamente em Lisboa, numa cerimónia que contou com a presença do secretário de estado da Educação, João Costa, que garantiu que as ideias dos alunos "têm sido muito importantes" para o trabalho feito no ministério.As opiniões dos estudantes sintetizam-se em onze grandes recomendações e João Costa começou por sublinhar a ideia que mais o surpreendeu: os jovens consideram que é essencial para as suas aprendizagens "sentirem-se acolhidos na escola".

Os alunos acreditam que os professores fazem a diferença, principalmente quando ensinam, mas também quando criam uma boa relação com a sua turma, não existindo uma relação de superioridade.

"Os professores conseguem dar-nos vontade, ou não, de estar numa sala de aula e aprender aquela matéria", lê-se no livro "Prós da Educação Inspiram", divulgado esta segunda-feira e que resume as posições dos estudantes.

Os alunos dizem que aprendem mais quando as aulas são mais curtas e dinâmicas e as matérias são dadas num ambiente divertido e relaxado. "A sala de aula não pode ser um silenciador", alertou João Costa, criticando as aulas expositivas, em que não há troca de opiniões.

No entanto, o secretário de Estado sublinhou que a maioria das escolas faz um trabalho incrível, apesar de reconhecer que ainda existem algumas onde "às vezes parece que é mais importante ter o aluno adormecido do que acordado", lamentou.

Mas o que é que ajuda a ter vontade de ir para a escola? Especialistas dizem que é conhecer melhor os colegas, o que é possível quando trabalham juntos na sala de aula, mas também através de atividades entre turmas e outros convívios.

"Ter amigos na escola é saber que há alguém à minha espera", lê-se no livro, que refere que os "amigos" foi um tema abordado nas 50 escolas.Também nas 50 escolas os alunos se queixaram das aulas de 90 minutos, reconhecendo que não é possível estar concentrado durante tanto tempo, defendendo que deveriam ter a duração máxima de uma hora.

Em sentido contrário, os intervalos deveriam ser maiores, para que pudessem conviver, descansar e recarregar baterias, caso contrário, com pausas demasiado curtas, "os alunos vão para as aulas e acham que ainda estão no intervalo".

Escolas onde se pode fazer desporto ou teatro, assim como intercâmbios, festas ou voluntariado também seriam espaços mais interessantes, até porque seria uma oportunidade para descobrir outros talentos e conhecer novos colegas.

Os alunos não se esqueceram da importância dos funcionários, sublinhando que é essencial ser recebido de manhã com um sorriso e saber que existe sempre alguém a quem podem recorrer: "Sem funcionários, a escola fecha".

Uma escola onde se sintam confortáveis, cantinas com refeições variadas, alterar o peso dos testes na avaliação, que devia passar a ter mais em conta o trabalho realizado na sala de aula e mais liberdade na escolha das matérias que se aprendem são outras das propostas dos estudantes.

João Costa lembrou que muitas das ideias dos alunos já eram defendidas por especialistas, como os métodos ativos na sala de aula ou a maior liberdade dada às escolas, que já está em curso através do programa de flexibilidade curricular.

Lusa

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Rapper XXXTentacion morto em aparente tentativa de roubo

    Cultura

    O rapper norte-americano XXXTentacion, de 20 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido baleado, na Florida, no sudeste dos Estados Unidos. Um dos suspeitos terá disparado e atingido o rapper e, de seguida, dois suspeitos fugiram numa viatura escura. A polícia está a considerar tentativa de roubo.