País

Casos confirmados de sarampo sobem para 109

O número de casos confirmados de pessoas infetadas com sarampo subiu para 109, mais um face a sexta-feira, 106 das quais já estão curados, anunciou esta segunda-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Até às 19:00 de domingo, havia três pessoas com a doença e 17 casos em investigação, segundo o boletim da DGS publicado no seu'site. Ao longo do surto, que maioritariamente infetou pessoas com ligação ao Hospital de Santo António, no Porto, foram analisados 262 casos que se revelaram negativos.

Dos 109 casos confirmados, 108 (99%) eram adultos, a maioria (58%) mulheres, e 86 (79%) eram profissionais de saúde, indicam os dados da DGS, que mostram também que 15 doentes (14%) não estavam vacinados e 10 (9%) tinham o esquema vacinal incompleto.

Em comunicado, a DGS refere que está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui a investigação laboratorial de todos os casos. Lembra ainda que o vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infecciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra.

"Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea", refere a autoridade de saúde, adiantando que os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois da pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea, tosse, conjuntivite e corrimento nasal.

A Direção-Geral da Saúde recomenda aos portugueses que verifiquem o seu boletim de vacinas e se vacinem caso seja necessário e para ligaram para 808 24 24 24 se estiveram em contacto com um caso suspeito de sarampo e se tiver dúvidas.

Segundo a DGS, em pessoas vacinadas a doença pode, eventualmente, surgir com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso.

Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença.

A vacina contra o sarampo faz parte do Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e aos cinco anos.

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".