País

Governo e PSD concluem acordos sobre fundos comunitários e descentralização

M\303\201RIO CRUZ

O primeiro-ministro afirmou hoje que Governo e PSD se preparam para fechar acordos políticos sobre a descentralização e fundos comunitários, frisando que se tratam de matérias centrais para o país e que requerem amplos consensos políticos.

"Tenho visto com agrado que as conversações com o PSD têm avançado muito bem e que muito brevemente será possível concluir acordos sobre o pacote da descentralização e o programa Portugal 2030", declarou António Costa.

O primeiro-ministro fez esta afirmação após ter aberto o seminário de cônsules honorários na Fundação do Oriente, em Lisboa.

António Costa começou por salientar que o seu Governo tem mantido contactos "com todas as forças políticas" sobre descentralização e fundos comunitários para a próxima década.

O primeiro-ministro referiu aos jornalistas que consta do programa do Governo "que há um conjunto de matérias que devem ser objeto de um acordo político mais alargado", entre elas "a descentralização, que é pedra angular da reforma do Estado e que deve ter suficiente apoio para garantir a sua continuidade ao longo dos anos".

"Mas também tudo o que tem a ver com a definição da estratégia de Portugal pós programa 2020, porque se estende por três legislaturas e, como tal, tem de ser objeto de um acordo que mobilize o conjunto do país. Por isso, este Governo iniciou o debate em junho passado com o Conselho Económico Social, com o Conselho de Concertação Territorial, com os parceiros sociais, universidades e institutos politécnicos, tendo em vista mobilizar a sociedade portuguesa", disse.

No plano político, António Costa fez mesmo questão de frisar que o Governo, ao longo dos últimos meses, tem mantido contactos "com todos os partidos políticos" e não apenas com os sociais-democratas.

No entanto, para o líder do executivo, "é particularmente importante que com o principal partido da oposição possa haver um entendimento em torno de uma visão comum sobre a estratégia do país para a próxima década".

Logo a seguir, no entanto, o líder do executivo deixou o recado que, na sequência destes acordos com o PSD, não está em causa a opção do Governo de ter entendimentos prioritários com os parceiros à sua esquerda.

Para o efeito, António Costa falou em dois planos distintos: "Há matérias que têm a ver com a solução de Governo - que assentam em compromissos estabelecidos com o PEV, PCP e Bloco de Esquerda e que são a base da ação governativa - e há outras matérias que são estratégicas, que transcendem esta legislatura e que requerem apoio alargado", justificou.

Neste contexto, Costa criticou depois a posição da nova direção do PSD em relação ao setor financeiro nacional, dizendo que a estabilização do setor da banca "foi um grave problema herdado pelo atual Governo".

"A estabilização do setor financeiro foi uma prioridade deste Governo, porque é essencial para termos hoje uma maior confiança na economia portuguesa e um melhor nível de investimento. Agora que virámos a página da instabilidade, temos de assegurar que não voltaremos a ter perturbações no nosso sistema financeiro, que deverá antes concorrer para o financiamento da economia e da criação de emprego", declarou.

Lusa

  • Marques Mendes diz que acordo entre Governo e PSD deverá ser assinado esta semana
    1:30

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a proposta acordada entre o Governo e o PSD para os fundos estruturais é ambiciosa e positiva. No habitual espaço de comentário, no Jornal da Noite, Marques Mendes disse que o acordo será assinado ainda esta semana em São Bento, e que na mesma altura António Costa e Rui Rio podem também assinar um acordo em torno da descentralização.

  • Negociações sobre fundos europeus em análise
    10:33

    Opinião

    Manuel Castro Almeida, vice-presidente do PSD, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite para falar sobre outro assunto sobre o qual se espera um entendimento entre PS e PSD: os fundos comunitários. Castro Almeida é quem está com a negociação deste dossier com o Governo e já esteve reunido com o Executivo de António Costa.

  • Três sportinguistas analisam entrevista de Bruno de Carvalho
    1:29
  • Manuel Pinho não terá declarado dinheiro que recebeu
    2:45

    Economia

    Manuel Pinho não terá declarado ao Tribunal Constitucional o dinheiro que recebeu do chamado saco azul do Grupo Espírito Santo. Esta terça-feira, no Parlamento, o antigo ministro da Economia de José Sócrates foi questionado sobre o assunto mas recusou responder.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • Jovens tailandeses poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo
    2:30

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador resgatados de uma gruta da Tailândia já tiveram alta. Uma semana depois, saíram do hospital e deram uma conferência de imprensa em que se mostraram sorridentes. No entanto, os especialistas advertem que poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo, se forem obrigados recorrentemente a reviver tudo o que passaram.

  • Os portugueses que se cruzaram na vida de Mandela
    2:19
  • Cem anos de Mandela: o legado de um "gigante da História"

    Mundo

    Na história da Humanidade contam-se muito poucas figuras capazes de gerar uma aclamação unânime e global de elogio e agradecimento. Nelson Mandela está nessa lista de eleitos. No dia em que completaria 100 anos, recordamos o legado de "Madiba", um dos maiores impulsionadores da paz que este mundo já conheceu.

    André de Jesus

  • Será este o táxi mais autografado do mundo?
    2:27
  • Quem é a mais recente líder da Sonae?
    2:16
  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02

    País

    Uma rádio comunitária está no ar, por estes dias, no bairro do Intendente, em Lisboa. O projeto é temporário e termina no próximo domingo. Mas até lá, a Rádio Escuta chega a mais de 100 países, pela internet, e dá voz aos imigrantes de diversas origens que vivem em Lisboa.

  • Lisboa vai ser Capital Verde da Europa em 2020
    2:54

    País

    O vereador do Ambiente de Lisboa quer envolver todos os cidadãos, empresas e agentes culturais na Capital Verde da Europa em 2020. Lisboa é a primeira cidade do sul da Europa a conseguir a distinção e, até lá, a Câmara promete um conjunto de investimentos para tornar a capital portuguesa um exemplo na área ambiental. Um deles é a construção de uma central solar.

  • Donald Trump em nova polémica

    Mundo

    O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez estalar uma nova polémica ao chamar ao Montenegro um "país muito pequeno" cujos habitantes são "muito agressivos" e por parecer questionar o princípio da defesa mútua dentro da NATO.

  • Urso apanhado na piscina de moradia de luxo na Califórnia
    1:35