País

Observatório alerta para "proporções epidémicas" de cesarianas em Portugal

(Arquivo)

O recurso à cesariana atingiu "proporções epidémicas" nos últimos 20 anos em Portugal e não está a diminuir como seria desejável, com uma prevalência de 27,6% nos hospitais públicos e o dobro nos privados, segundo um relatório.

A prevalência desta prática obstétrica aumentou em todo o mundo neste período, "muito para além da frequência esperada das indicações clínicas" e Portugal não foi exceção, estando mesmos entre os países da Europa com mais alta prevalência, segundo o Relatório de Primavera 2018 do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), que será hoje apresentado.

Nos hospitais públicos houve uma "modesta descida nas prevalências", de 36,3% em 2010 para 27,6% em 2015. Contudo, "há uma diferença marcada entre a experiência de hospitais públicos e hospitais privados, que nenhuma regra de boas práticas ou combinação de risco poderá explicar".

Apesar de a frequência de cesarianas ter descido ligeiramente nos hospitais privados neste período, de 67,5% e 63,4%, situa-se em valores que são o dobro dos verificados em hospitais públicos, sustenta o relatório.

Também a episiotomia, incisão na região do períneo, é mais frequente em Portugal do que nos restantes países europeus, com uma prevalência próxima dos 70% (a Dinamarca tem cerca de 4%).

Para os autores do relatório, as elevadas taxas destas duas práticas obstétricas, que representam "um fator de risco para a mãe e criança", exigem estudos com profissionais e utentes que permitam "desenhar, testar e implementar formas de atuação sensíveis" à cultura do país, mas que "respeitem as boas práticas clínicas, assegurando às mulheres um conhecimento sólido das consequências imediatas e no curso de vida, da opção pelo parto cirúrgico ou por intervenções como a episiotomia".

O relatório realça também a importância do aleitamento materno, enquanto estratégia para melhorar os resultados em saúde das crianças, observando que, enquanto em Itália existem 37 bancos de leite humano e em Espanha dez, em Portugal existe apenas um.

Entre 2000 e 2015 foram registados nos hospitais públicos do continente 1.668.132 internamentos, dos quais 79,7% corresponderam a nascimentos, 9% a situações de abortamento e gravidez ectópica e 1,5% a internamentos pós-parto ou pós-abortamento.

Ao longo deste período, nos hospitais públicos, o número de nascimentos diminuiu cerca de 30%, uma situação que se deve em parte ao "crescente peso dos partos" em instituições privadas, de 6.787 para 12.186 entre 2000 e 2015.

Para os autores do relatório, estes dados tornam "imperiosa a utilização de um sistema de recolha de informação comum" a todas as unidades hospitalares que realizam partos no país, porque de outro modo "é impossível conhecer a realidade da saúde e das condições que rodeiam o nascimento".

Recomendam ainda a realização de um Inquérito Perinatal Nacional, a cada cinco anos, que consideram indispensável para que "a vigilância da saúde perinatal se efetue de forma ativa, continuada e sistemática" e a concretização de inquéritos independentes e confidenciais a todas as mortes maternas e infantis e aos casos de morbilidade grave.

O Observatório Português dos Sistemas de Saúde é constituído por uma rede de investigadores e instituições académicas dedicadas ao estudo dos sistemas de saúde.

Tem como finalidade proporcionar a todos aqueles que podem influenciar a saúde em Portugal, uma análise precisa, periódica e independente da evolução do sistema de português e dos fatores que a determinam.

Lusa

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • Caminhada de 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC