País

Fecho da Unidade de Cuidados Coronários da Guarda justificada com aplicação da lei das 35 horas

Fecho da Unidade de Cuidados Coronários da Guarda justificada com aplicação da lei das 35 horas

A unidade local de saúde da Guarda encerrou a Unidade de Cuidados Coronários e reduziu mais de 30 camas nos dois hospitais do distrito. As decisões são justificadas com a aplicação da lei das 35 horas, mas para os sindicatos o argumento não é váido.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • Ministro da Saúde critica "alarmismo" da presidente do Infarmed
    1:52

    País

    O ministro da Saúde garante que não existe nenhum pacto secreto entre o Governo e Rui Moreira sobre a transferência do Infarmed para o Porto. Ouvido esta manhã no Parlamento, Adalberto Campos Fernandes acusou a presidente do Infarmed de alarmismo quando diz que o processo de deslocalização pode constituir uma ameaça para a saúde pública.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.