País

Hospital Garcia da Orta contrata 52 novos profissionais de saúde

O Hospital Garcia da Orta (HGO), em Almada, no distrito de Setúbal, vai contratar 52 novos profissionais de saúde para fazer face à passagem das 40 para as 35 horas semanais, anunciou esta sexta-feira aquela unidade hospitalar.

De acordo com o hospital, vão ser contratados 23 enfermeiros, 23 assistentes operacionais, dois assistentes técnicos, um técnico superior de farmácia e três técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, para as especialidades de patologia clínica, cardiopneumologia e radiologia.

Estes 52 novos profissionais de saúde que vão ajudar a "ultrapassar eventuais constrangimentos que possam ocorrer com a alteração do período normal de trabalho para as 35 horas semanais", explicou o HGO em comunicado.

O hospital de Almada evidenciou ainda que estas contratações são "um contributo para a melhoria contínua dos cuidados de saúde que são prestados às populações", não só de Almada, como de todo a península de Setúbal.

Segundo o Ministério da Saúde, até maio foram contratados 1.600 profissionais para suprir as necessidades da passagem de trabalhadores às 35 horas de trabalho semanais e vão ser contratados este mês mais 2.000 (entre enfermeiros, técnicos e administrativos).

O ministro tem reiterado que o Governo e os hospitais estão a fazer um planeamento "como nunca foi feito", mas não se compromete com a contratação adicional de profissionais depois do verão e indica que não deverá haver margem financeira para contratar o número desejável de profissionais.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16