País

Bastonário da Ordem dos Médicos visita Maternidade Alfredo da Costa na segunda-feira

Maternidade Alfredo da Costa/Arquivo

O Bastonário da Ordem dos Médicos vai visitar na segunda-feira ao início da tarde a Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, na sequência dos pedidos de demissão dos chefes de equipa da unidade. A visita foi confirmada pelo próprio Miguel Guimarães à agência Lusa.

Segundo o Bastonário, a Ordem vai reunir-se com responsáveis da maternidade e com os profissionais no sentido de compreender melhor as queixas manifestadas e dar "apoio" às suas necessidades.

A Ordem dos Médicos já tinha realizado esta semana uma visita ao Hospital S. José, que pertence também ao Centro Hospitalar Lisboa Central, igualmente na sequência de demissões de chefes de equipa de urgência.

Na quarta-feira, os chefes de equipa de urgência da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) apresentaram uma carta de demissão à administração, mas esta disse depois que a situação "estava controlada e ultrapassada".

Os profissionais que assinaram e entregaram a carta queixam-se da falta de recursos humanos e dizem que estão exaustos.

Na carta de demissão, os profissionais referem que a MAC tem apenas 27 especialistas médicos que realizam serviço de urgência de dia e de noite e que uma dessas profissionais se encontra de baixa por gravidez de risco.

Dos 27 especialistas, 13 têm mais de 50 anos e sete têm mais de 55 anos.

O número de horas extraordinárias feitas pelos profissionais já excede "há vários meses" o que está previsto por lei e também as equipas de enfermagem se encontram reduzidas e igualmente em exaustão.

Ainda na quarta-feira, os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da MAC anunciaram que deixam de fazer horas extraordinárias dentro de duas semanas, tornando "inoperacional o serviço de urgência", se não for resolvida a falta de pessoal.

Lusa

  • Médicos nas prisões para rastrear e tratar reclusos com VIH e hepatites

    País

    Os médicos infeciologistas, gastrenterologistas e internistas vão passar a deslocar-se às prisões para cuidar dos reclusos infetados com VIH e hepatites B e C e vão realizar-se rastreios à entrada, durante e final da reclusão. Este modelo vai estar em vigor em 45 estabelecimentos prisionais do continente.

  • Gaza de novo à beira da guerra
    2:30