País

"Geringonça está no nosso coração e na nossa cabeça"

"Geringonça está no nosso coração e na nossa cabeça"

O futuro da atual solução de Governo dominou as entrelinhas do debate desta sexta-feira sobre o Estado da Nação. A três meses da entrega do último Orçamento do Estado, o primeiro-ministro avisou os parceiros de esquerda que é preciso evitar mudanças de rumo para não sacrificar o que foi conquistado nos últimos três anos. António Costa garante que a geringonça está no coração e na cabeça do Governo.

  • Bloco de Esquerda e PCP vão conseguir "algumas bandeiras de que necessitam"
    7:00

    Bernardo Ferrão

    Em dia de debate da Nação, Bernardo Ferrão, da SIC, analisa o estado da política no País, em especial da geringonça e do maior partido da oposição, o PSD. Em relação "à grande invenção política de António Costa" - a geringonça - considera que se está a assistir "a uma negociação em público daquilo que Bloco de Esquerda e PCP querem e daquilo que o Governo pode dar". Bernardo Ferrão acredita que os dois partidos de esquerda vão conseguir "algumas bandeiras de que necessitam". Até porque "não há interesse para ninguém que este orçamento não seja aprovado". Já sobre o PSD, diz que o partido não está a conseguir mostrar-se como alternativa, destacando ainda que "o discurso de Fernando Negrão não joga com aquilo que é o PSD".

  • Quando PS converge com PCP a vida melhora

    País

    O secretário-geral comunista considerou hoje que quando o PS converge com o PCP a vida em Portugal melhora, no debate parlamentar sobre o estado da nação, questionando o primeiro-ministro sobre se quer prosseguir o caminho.

  • "Nada de mau vai sair do encontro" com Vladimir Putin
    2:23

    Mundo

    A horas da cimeira com Vladimir Putin na Finlândia, Donald Trump diz não ter grandes expectativas mas assegura que nada de mau sairá do encontro. Numa entrevista à CBS, o Presidente norte-americano coloca a União Europeia a par da Rússia e da China como inimigos dos Estados Unidos.

  • Médicos nas prisões para rastrear e tratar reclusos com VIH e hepatites

    País

    Os médicos infeciologistas, gastrenterologistas e internistas vão passar a deslocar-se às prisões para cuidar dos reclusos infetados com VIH e hepatites B e C e vão realizar-se rastreios à entrada, durante e final da reclusão. Este modelo vai estar em vigor em 45 estabelecimentos prisionais do continente.

  • Gaza de novo à beira da guerra
    2:30