sicnot

Perfil

Assalto ao Castelo

A grande ilusão

© Rafael Marchante / Reuters

Pedro Coelho

Jornalista

BPN, BPP, Banif, BES. Há um ponto de ligação entre toda a ruína financeira em que o país mergulhou. Em breve, o jornalista da SIC Pedro Coelho volta a mergulhar no tema. Hoje, antecipamos um pouco do que aí vem e recordamos, para melhor contextualizar, o começo de uma história de fraude, em 2008.

Em 2008 assistimos à queda de um banco. Era um pequeno banco. Tão pequeno que passou pelo buraco da agulha do Banco de Portugal. Afinal, o líder era o reputadíssimo José Oliveira Costa, antigo quadro do Banco de Portugal, antigo Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais de Cavaco Silva.

Em 2008, o país foi surpreendido com a nacionalização do Banco Português de Negócios, BPN. O banco das poupanças do, à época, Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, andara a iludir o supervisor com lucros estratosféricos que escondiam prejuízos reais. O supervisor acreditara no conto do vigário. Foi o próprio Vítor Constâncio, então governador do Banco de Portugal, quem acabaria por reconhecer que a instituição tivera dificuldade em desconfiar de um homem que fora seu quadro influente até 1991.

Vítor Constâncio, atual vice-presidente do Banco Central Europeu

Vítor Constâncio, atual vice-presidente do Banco Central Europeu

Reuters

A queda do BPN e os milhões de prejuízo que ela trouxe ao país, foi a primeira de muitas quedas. Em todas – BPP, Banif, BES – se tem questionado o trabalho da supervisão. O Banco de Portugal, a quem o legislador impõe a obrigação de monitorizar a forma como os banqueiros, donos dos bancos, zelam pelo dinheiro que é dos depositantes, cegou ante a queda dos pequenos BPN, BPP e Banif e desse gigante secular da alta finança chamado BES.

O país ainda está, e estará, em processo de nacionalização dos prejuízos dos bancos que ruíram, depois de ter assistido, anos a fio, ao enriquecimento súbito, e depois continuado, dos acionistas. Milhares de lesados, a maioria aforradores de pequena escala, ficaram a olhar para as nuvens vendo as poupanças de uma vida diluídas em produtos financeiros tóxicos.

Portugal pode perder 8 mil milhões de euros com o BPN (mais de metade desse valor já perdeu); perdeu 3 mil milhões com o Banif e emprestou 4 mil milhões ao fundo de resolução para capitalizar o Novo Banco e já não sabe quando e como os irá receber.

O país perdeu tudo isso, nas barbas das autoridades reguladoras – Banco de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

E esse é o ponto de ligação entre toda a ruína financeira em que o país mergulhou: a incapacidade do regulador em antecipar a queda; a forma como o regulador se tem deixado iludir.

Na SIC, chegou o momento de nos voltarmos para o regulador.

Uma participante numa manifestação dos lesados do papel comercial do BES exibe um cartaz com a imagem do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa

Uma participante numa manifestação dos lesados do papel comercial do BES exibe um cartaz com a imagem do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa

FERNANDO VELUDO

Em 2013 analisámos a fundo a escândalo BPN (Grande Reportagem “Fraude”, emitida em 4 episódios). Em 2014 ficámos a conhecer o perfil dos maiores devedores do BPN – os que pediram milhões e que nunca pagaram; os que pediram milhões e que os gastaram; os que pediram milhões, que os gastaram e que continuam pelo mundo, cheios de projetos e ideias (Grande Reportagem “Depois da Fraude”, emitida em 2 episódios). Em 2016 revolvemos o escândalo do Banif e a forma como o fundador criou um império alicerçado nos vazios da alta finança.

No arranque de março emitiremos três episódios sobre o trabalho do Banco de Portugal no caso BES. Um vasto conjunto de revelações que fomos desbravando ao longo de cinco meses.

Antes desse desafio, recuemos. A história começa em 2008, com a nacionalização do BPN. O BPN era um pequeno banco… tão pequeno que passou pelo buraco da agulha do supervisor.

A Fraude

1ª parte: A Linha do Tempo

Esta primeira parte faz um sobrevoo sobre os dez anos de Oliveira e Costa na SLN/BPN, identificando os momentos que criaram lodo nas contas do banco. Um relato histórico detalhado – ano a ano. Como foi possível esconder prejuízos durante uma década?

2ª parte: Anatomia de um golpe

A Grande Reportagem fecha o ângulo na fraude e explica a forma como o dinheiro dos depositantes serviu para financiar negócios ruinosos e alimentar empréstimos, sem garantias, a figuras próximas da administração da SLN.

3ª Parte: No rasto do dinheiro

Tentamos perceber se a verba que anda perdida na centena de offshores criadas pela gestão de Oliveira Costa pode, ou não, ser recuperada. Estamos a falar de uma parcela gigantesca, na ordem dos 700 milhões de euros.

4ª parte: Caixa Negra

Depois da Fraude

1ª Parte: A Herança

A Parvalorem gere uma carteira de dividas de 4,5 mil milhões de euros. Contudo, gere igualmente os 300 funcionários do BPN que ainda resistem e que não foram contratados pelo BIC quando o banco angolano comprou o BPN. A Grande Reportagem mostra-lhe uma empresa doente, que esteve parada, literalmente, durante dois anos.

2ª Parte: A Cobrança

Depois da Fraude, a Cobrança. Revelamos onde foi gasto o dinheiro que saiu dos cofres do BPN e que hoje alimenta o buraco do banco de Oliveira Costa.

  • A Fraude (1ª parte): A Linha do Tempo
    20:02

    A Fraude

    Uma investigação de cinco meses marca o regresso da Grande Reportagem SIC. A Fraude, um trabalho de fundo sobre o que realmente aconteceu no BPN, é emitida em quatro capítulos. Esta primeira parte faz um sobrevoo sobre os dez anos de Oliveira e Costa na SLN/BPN, identificando os momentos que criaram lodo nas contas do banco. Um relato histórico detalhado – ano a ano. Como foi possível esconder prejuízos durante uma década?

  • A Fraude (2ª parte): Anatomia de um golpe
    23:48

    A Fraude

    A Grande Reportagem fecha o ângulo na fraude e explica a forma como o dinheiro dos depositantes serviu para financiar negócios ruinosos e alimentar empréstimos, sem garantias, a figuras próximas da administração da SLN.

  • A Fraude (3ª Parte): No rasto do dinheiro
    22:42

    A Fraude

    O terceiro episódio da Fraude segue no rasto do dinheiro. Tentaremos perceber se a verba que anda perdida na centena de offshores criadas pela gestão de Oliveira Costa pode, ou não, ser recuperada. Estamos a falar de uma parcela gigantesca, na ordem dos 700 milhões de euros.

  • Depois da Fraude (1ª Parte): A Herança
    37:16

    A Fraude

    A Parvalorem gere uma carteira de dividas de 4, 5 mil milhões de euros. Contudo, gere igualmente os 300 funcionários do BPN que ainda resistem e que não foram contratados pelo BIC quando o banco angolano comprou o BPN. A Grande Reportagem desta quinta-feira mostra-lhe uma empresa doente, que esteve parada, literalmente, durante dois anos. O relato completo de seis anos de angústia. A segunda parte da Grande Reportagem será transmitida esta sexta-feira.

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC