sicnot

Perfil

Assalto ao Castelo

SIC revela relatório que provava falência do GES

SIC revela relatório que provava falência do GES

“Nunca fui, nunca pensei ser o dono disto tudo”. Ricardo Salgado fez o anúncio na Comissão Parlamentar de Inquérito, muitos anos depois do rótulo lhe ter sido colado pela primeira vez. A história e os factos desmentem, por isso, o desmentido de Ricardo Salgado.

No episódio dois da Grande Reportagem “Assalto ao Castelo” mostramos Ricardo Salgado numa antecâmara da sala da posse do governo liderado por José Manuel Durão Barroso e passamos em revista alguns episódios, que, tendo ficado gravados no tempo, colocam, de facto, Ricardo Salgado no trono da alta finança portuguesa.

O peso e a influência de Salgado eram de tal forma notados no mundo financeiro que o presidente executivo do BPI não conseguia fazer passar a mensagem de que o Grupo Espírito Santo vivia, há anos, em agonia financeira.

Em 2013, mais de um ano antes da derrocada do GES e do BES, Fernando Ulrich entregou em mãos um extenso relatório a Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, provando que o grupo liderado por Salgado estava falido, apesar de andar a colorir a tragédia financeira vendendo títulos de dívida das empresas descapitalizadas aos balcões do banco.

É esse documento que a SIC revela. Um documento de janeiro de 2013, terminado 19 meses antes da queda do império.

"Assalto ao Castelo". Dias 1, 2 e 3 de março no Jornal da Noite.

Reportagem de Pedro Coelho, com imagem de José Silva com Luís Pinto e 4KFly. Edição de Imagem de Rui Berton, produção editorial de Diana Matias, grafismo de César Ribeiro, Luís Bispo e Sérgio Maduro.

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC