sicnot

Perfil

CAPA_SITE_02.jpg

Cartaz

SEGUNDA A SEXTA 16:25

Cartaz

Jorge Silva Melo assina filme confessional

CARTAZ CINEMA

Jorge Silva Melo assina filme confessional

Homem do cinema e do teatro, Jorge Silva Melo faz um retrato confessional no seu novo filme, “Ainda Não Acabámos”. João Lopes comenta as principais novidades da semana, destacando ainda a primeira longa-metragem de Piero Messina, “A Espera”, uma das revelações da Festa do Cinema Italiano.

“Ainda Não Acabámos” é um documentário português que, na primeira pessoa, evoca uma trajectória muito pessoal, repartida entre o teatro e o cinema — Jorge Silva Melo assina, assim, uma obra que tem tanto de confessional como de interrogação da sua própria geração.

Com “A Espera”, Piero Messina observa, com minúcia e emoção, a relação que se estabelece entre uma mulher e a namorada do seu filho — um filme na melhor tradição melodramática italiana, com Juliette Binoche e Lou de Laâge nis papéis principais.

De vez em quando, da produção alemã, continuam a chegar-nos filmes que observam os altos e baixos das relações familiares. É o caso de “O Que Nos Resta”, de Hans-Christian Schmid, retrato íntimo de um fim de semana em que nem tudo corre bem... Corinna Harfuch lidera o elenco.

Foi o prémio de argumento no Festival de Cannes de 2015: “Chronic” tem Tim Roth no papel de um profissional especializado na assistência psicológica a pacientes com doenças terminais. Resultante de uma coprodução entre México e França, trata-se de uma realização assinada pelo mexicano Michel Franco.

Kiyoshi Kurosawa é um dos nomes mais internacionais do actual cinema japonês. Podemos agora descobri-lo nas salas portuguesas através de “Rumo à Outra Margem”, história de um casal que combina o realismo com algumas componentes fantásticas.

* Banda sonora: “Buena Vista Social Club” (1999), de Wim Wenders

> “De Camino a la Vereda”, Ibrahim Ferrer

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24