sicnot

Perfil

CAPA_SITE_02.jpg

Cartaz

SEGUNDA A SEXTA 16:25

Cartaz

Isabelle Huppert protagoniza drama familiar

CARTAZ CINEMA

Isabelle Huppert protagoniza drama familiar

O novo filme de Mia Hansen-Løve, “O Que Está por Vir”, volta a confirmar a imensa versatilidade de Isabelle Huppert. João Lopes comenta as novidades da semana, destacando ainda o musical “Sing Street”; no DVD, há um clássico de Max Ophüls.

Isabelle Huppert domina “O Que Está por Vir”, filme de Mia Hansen-Løve que faz o retrato íntimo de uma professora de filosofia forçada a enfrentar algumas dramáticas crises familiares — é mais uma prova do talento de uma das mais interessantes cineastas do actual cinema francês.

John Carney, realizador de “Once/No Mesmo Tom” (2007), volta a interessar-se pelas relações entre música e comédia social: “Sing Street” faz a crónica amarga e doce de uma banda juvenil em plenos anos 80, na Irlanda — Duran Duran e The Cure são inspirações que estão na banda sonora.

Da Índia, chega-nos “Deusas em Fúria”, de Pan Nalin, retrato do universo de um grupo de amigas, reunidas para o casamento de uma delas. Para além do tom inicial de comédia, vão sendo tratadas questões muito delicadas sobre a marginalização e repressão das mulheres na actual sociedade indiana.

O americano Michael Moore continua a propor documentários que são também verdadeiros panfletos políticos, normalmente em tom de paródia. No seu novo filme, “E Agora Invadimos o Quê?”, o próprio Moore visita vários países europeus (incluindo Portugal) à procura de princípios e métodos para aplicar no seu país.

No domínio do DVD, é altura de (re)descobrirmos um maravilhoso clássico do cinema francês: “O Prazer” (1952), de Max Ophüls, adapta três contos de Guy de Maupassant, com um elenco que inclui, entre outros, Jean Gabin, Danielle Darrieux e Simone Simon.

* Banda sonora: “Sing Street” (2016), de John Carney

> “Inbetween Days”, The Cure

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".