sicnot

Perfil

Cartaz

Filme chileno evoca Pablo Neruda, poeta e político

Filme chileno evoca Pablo Neruda, poeta e político

Estreado no Festival de Cannes de 2016, “Neruda” evoca as actividades políticas do poeta Pablo Neruda (1904-1973). João Lopes comenta as principais estreias da semana, destacando ainda o filme português “São Jorge” e o lançamento em DVD do clássico “Dersu Uzala”.

O cineasta chileno Pablo Larraín (autor de “Jackie”, sobre Jacqueline Kennedy) evoca a figura de Pablo Neruda, incidindo em particular nas suas actividades políticas e na vigilância que a polícia montou em torno da sua militância. “Neruda” tem Luis Gnecco e Gael García Bernal nos papéis principais e foi revelado na Quinzena dos Realizadores de Cannes/2016.

“São Jorge”, de Marco Martins, evoca os tempos atribulados de Portugal durante a presença da Troika no nosso país, tendo como personagem central um pugilista que se envolve com um grupo especializado em colectas de dívidas. Nuno Lopes, intérprete principal, foi premiado no Festival de Veneza, como melhor actor na secção “Orizzonti”.

A figura lendária de King Kong, popularizada por um filme de 1933, volta a estar no centro de uma aventura cinematográfica: “Kong – Ilha da Caveira” tem assinatura de Jordan Vogt-Roberts e conta com um elenco em que se destacam Brie Larson (um ano depois de ter ganho o Oscar de melhor actriz, com “Quarto”), Tom Hiddleston e Samuel L. Jackson.

“Dersu Uzala” (1975) ganhou um Oscar de melhor filme estrangeiro em representação da URSS, embora tendo realização de um mestre japonês: Akira Kurosawa (1910-1998). Agora disponível em DVD, nele encontramos uma parábola sobre o conhecimento humano, tendo por pano de fundo as paisagens da Sibéria.

- Banda sonora: JACKIE (2016), de Pablo Larraín - "Walk to the Capitol", Mica Levi

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29