E se fosse consigo?

Um casamento feliz até se instalar o ciúme e o controlo

Um casamento feliz até se instalar o ciúme e o controlo

António Lopes casou com vinte anos, a mulher tinha dezasseis. Um casamento feliz até se instalar o ciúme e o controlo. A rua passou a estar-lhe proibida, o sofá e a televisão passaram a ser o seu mundo. O dinheiro era uma das fontes dos problemas, a pequena reforma que recebia, a mulher queria-a por inteiro. Ao fim de 20 anos, a violência instalou-se e subiu de tom. António diz que foi suportando muitas agressões, mesmo à frente das filhas, sem responder nem apresentar queixa. Até ao dia em que não aguentou e "respondeu". Acabou preso 4 meses.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16