E se fosse consigo?

Fernando Duarte ficou paraplégico na véspera de aceitar o trabalho que ia mudar-lhe a vida

Fernando Duarte ficou paraplégico na véspera de aceitar o trabalho que ia mudar-lhe a vida

Na véspera de aceitar o trabalho que, acreditava, ia mudar-lhe a vida, Fernando Duarte saiu para festejar. A vida mudou. Mas para uma dificuldade que não esperava.

Fernando Duarte lembra-se de acordar no hospital e ficar a saber que um carro tinha ido contra ele e estava destinado a ficar paraplégico.

Lutou, deu a volta ao destino e hoje é capaz de caminhar com a ajuda de muletas. Mas em seis anos só conseguiu trabalhar duas vezes num projeto da Segurança Social.

Sem direito a férias, sem direito aos descontos, sem direito a nada. Obrigado a viver em casa dos pais, continua à procura de trabalho.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16