sicnot

Perfil

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Perdidos e Achados

Recupera e actualiza histórias, pessoas e locais que foram notícia e de que nunca mais ouvimos falar.

  • Munique 1972

    Perdidos e Achados

    5 de setembro de 1972. Os Jogos Olímpicos de Munique decorriam há quase duas semanas quando um grupo de terroristas palestinianos transformou as Olimpíadas da Alegria e da Paz num enorme pesadelo.

    Perdidos e Achados

  • Filarmónica Verridense

    Perdidos e Achados

    Quando e onde apareceu a primeira é matéria de discussão, mas a Verridense poderá bem ser a banda filarmónica mais antiga do país. Tem 208 anos e é o que resta numa terra, colada ao rio Mondego, que tem vindo a perder gentes e razões para lá viver. Relembramos a história da banda em mais um Perdidos e Achados.

    Perdidos e Achados

  • Teatro Dom Roberto

    Perdidos e Achados

    Voz esganiçada, atitude provocatória e sempre metidos em confusões. Os Dom Roberto são fantoches politicamente incorretos que resolvem tudo à pancada. No Perdidos e Achados, recuperamos esta tradição nacional. Um teatro popular que fez as delícias de crianças e adultos ao longo dos tempos. Esteve praticamente extinto e agora volta a estar na moda, recriado por jovens marionetistas, que recentemente ganharam até vários prémios internacionais. Por tudo isto, o teatro Dom Roberto é um dos mais recentes candidatos nacionais a património cultural imaterial.

    Perdidos e Achados

  • Olímpicos à Vela

    Perdidos e Achados

    A primeira vitória olímpica de Portugal na modalidade de vela foi conquistada em 1948 pelos irmãos, Duarte Bello e Fernando Bello que ganharam a medalha de prata nos jogos de Londres. Quatro anos mais tarde, em 1952, nos jogos de Helsínquia Joaquim Fiúza e Rebelo de Andrade trazem o Bronze para Portugal. Em 1960, mais uma medalha de prata é conquistada na olimpíada de Roma, desta feita pela dupla de irmãos Mário Quina e José Quina. Após a medalha dos irmãos Quina a vela portuguesa faz uma longa travessia, de 36 anos, sem medalhas olímpicas.A modalidade só volta a ascender ao pódio em Atlanta, em 1996, quando Hugo Rocha e Nuno Barreto conseguem deitar as mãos ao bronze. A cerca de um mês do arranque dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro recordamos as histórias vitoriosas dos irmãos Mário e José Quina e da dupla Hugo Rocha e Nuno Barreto.No Rio 2016 vão participar 5 atletas portugueses na modalidade de vela. O desejo do país é que os ventos soprem de feição e ajudem na conquista

    Perdidos e Achados

  • Velejadores olímpicos

    Perdidos e Achados

    A primeira vitória olímpica de Portugal na modalidade de vela foi conquistada em 1948 pelos irmãos, Duarte Bello e Fernando Bello que ganharam a medalha de prata nos jogos de Londres. Quatro anos mais tarde, em 1952, nos jogos de Helsínquia Joaquim Fiúza e Rebelo de Andrade trazem o Bronze para Portugal.

    Perdidos e Achados

  • Éder Fortes, preso 4 anos e meio por roubo de telemóvel

    Perdidos e Achados

    Há dez anos a SIC deu a conhecer a história de um jovem que esteve preso 4 anos e meio por causa do roubo de um telemóvel. Tudo indicava que Éder Fortes teria sido vítima de um erro judicial e por isso divulgámos a gravação do julgamento. Foi por causa disso que uma jornalista da SIC acabou por ser condenada pelo crime de desobediência. No Perdidos e Achados, fomos ver que reviravolta teve este caso judicial.

    Perdidos e Achados

  • Os 30 anos do grupo de teatro da Crinabel

    Perdidos e Achados

    O grupo de teatro da Crinabel celebra este ano 30 de apresentações em palco. No Perdidos e Achados desta semana, relembramos a participação do ator Tó Coutinho na série televisiva da SIC "Médico de Família", a prestação de Tomás de Almeida no filme "A Outra Margem", de Luís Filipe Rocha e a enorme vontade de todos em fazer da representação um modo de vida.

    Perdidos e Achados

  • O Sol da Caparica

    Perdidos e Achados

    Agora que as férias começam para a maioria dos portugueses, o Perdidos e Achados regressa ao verão de outras décadas. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores atraves da Fundação Nacional Alegria no Trabalhao. A máquina da propaganda criava a ilusão de um país exemplar e proporcionando 15 dias descanso em colonias de ferias espalhadas pelo país. A maior ficava na Costa de Caparica e chamava-se "Um Lugar ao sol". Recebia entre junho e setembro cerca 10 mil pessoas. No Perdidos e Achados reencontramos muitos dos que ali passaram férias, e outros que lá trabalharam varios anos. Onde existiu em tempos "Um Lugar Sol", hoje encontramos o complexo do INATEL da Costa da Caparica.

    Perdidos e Achados