sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

"As Aventuras da TV"

Perdidos e Achados

A série televisiva Verão Azul está para a geração de 80, como os Pequenos Vagabundos para as crianças e adolescentes da década anterior.

"Verão Azul" estreou em 1982.

"Verão Azul" estreou em 1982.

Nos anos 70 a série "Pequenos Vagabundos" preencheu o imaginário de inúmeros adolescentes.

Nos anos 70 a série "Pequenos Vagabundos" preencheu o imaginário de inúmeros adolescentes.

Em 1982 quando estrearam as aventuras e desventuras dos 7 amigos em férias na praia, tanto rapazes como raparigas ficaram presos ao écran desde o primeiro episódio.

Verão Azul, foi revolucionário para época. As personagens falavam abertamente de questões pouco comuns em televisão, algumas até tabu, entre pais e filhos

Episódios sobre a morte ou a sexualidade, tornaram-se emblemáticos da série.

 Dez anos antes, também os Pequenos Vagabundos preencheram o imaginário de inúmeros adolescentes. Nos longínquos anos 70, quando Portugal hesitava ainda entre a ditadura e democracia, os mistérios e aventuras juvenis, abriam portas à liberdade e à descoberta de outros mundos.

Numa altura em que a tecnologia permitia apenas a existência de dois canais de televisão, era impensável que algum dia fosse possível fazer gravações ou rever cenas perdidas, por isso falhar um episódio era um verdadeiro tormento para os mais novos.

No próximo sábado, no Perdidos e Achados reencontramos os jovens de então, agora adultos, que contam porque não esqueceram as séries que marcaram a sua adolescência.

E reencontramos também os heróis de outros tempos. Alguns dos miúdos que protagonizaram os Pequenos Vagabundos  e o Verão Azul nos anos 70 e 80.

 

 

 Jornalista: Isabel Osório

Repórter de imagem: Nuno Fróis

Editor de imagem: Rui Félix

Produção: Cláudia Araújo, Madalena Durão

Coordenação: Maria João Ruela

Direção: Alcides Vieira

 

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.