sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

"A história de um Cozido"

O Perdidos e Achados deste sábado é um pouco diferente. Viajamos no tempo, mas  sobretudo... pelo país. Da terra ao prato, dois repórteres da SIC perdem-se entre Douro e Tejo, para achar a história de um cozido, contada pelo Chef Nuno Diniz.

Os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal.

Os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal.

Habituado a integrar o júri de concursos na arte da culinária, também cozinheiro premiado, consultor, professor a escola de hotelaria de Lisboa e chefe num prestigiado hotel, Nuno Diniz dedicou-se à história e arte do cozido.

Entre outras reportagens em que já participou, a SIC esteve com ele no ano passado, em direto, naquele que foi o maior cozido de sempre em número de ingredientes.

Num mosaico do melhor que Portugal tem, os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal. Nuno faz três grandes cozidos por ano. A norte, a centro e a sul. Seguindo as tradições e receitas locais.

Se cada região tem a sua maneira de fazer um cozido, Nuno Diniz adota o princípio dos "perdidos e achados", ao encontro de um país que também se conta, pela história de um cozido. Desta vez, seguimos o Chef pelos caminhos do cozido "entre-rios", ou seja, entre o Douro e o Tejo.

 

Jornalistas: Joaquim Franco e Raquel Marinho

Repórteres de imagem: Fernando Silva e Diogo Sentieiro

Edição de imagem: Andrés Gutierrez

Produção:  Cláudia Araújo, Madalena Durão

Coordenação: Maria João Ruela

Direção: Alcides Vieira

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.