sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

"A história de um Cozido"

O Perdidos e Achados deste sábado é um pouco diferente. Viajamos no tempo, mas  sobretudo... pelo país. Da terra ao prato, dois repórteres da SIC perdem-se entre Douro e Tejo, para achar a história de um cozido, contada pelo Chef Nuno Diniz.

Os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal.

Os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal.

Habituado a integrar o júri de concursos na arte da culinária, também cozinheiro premiado, consultor, professor a escola de hotelaria de Lisboa e chefe num prestigiado hotel, Nuno Diniz dedicou-se à história e arte do cozido.

Entre outras reportagens em que já participou, a SIC esteve com ele no ano passado, em direto, naquele que foi o maior cozido de sempre em número de ingredientes.

Num mosaico do melhor que Portugal tem, os cozidos de Nuno Diniz implicam pesquisa, no terreno, o que faz dele o chefe dos cozidos de Portugal. Nuno faz três grandes cozidos por ano. A norte, a centro e a sul. Seguindo as tradições e receitas locais.

Se cada região tem a sua maneira de fazer um cozido, Nuno Diniz adota o princípio dos "perdidos e achados", ao encontro de um país que também se conta, pela história de um cozido. Desta vez, seguimos o Chef pelos caminhos do cozido "entre-rios", ou seja, entre o Douro e o Tejo.

 

Jornalistas: Joaquim Franco e Raquel Marinho

Repórteres de imagem: Fernando Silva e Diogo Sentieiro

Edição de imagem: Andrés Gutierrez

Produção:  Cláudia Araújo, Madalena Durão

Coordenação: Maria João Ruela

Direção: Alcides Vieira

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08