sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Do Bairro de Lata à Galeria de Arte Pública"

Chegar a Sacavém, concelho de Loures, chegar ao improvisado bairro da Quinta do Mocho e achar que nunca se saiu da África profunda e pobre. Era isso que acontecia a quem "aterrava", a seguir a 1974, nas torres abandonadas pela construtora Jota Pimenta que, entretanto, tinha entrado em processo de falência. Com o passar dos anos, o que era apenas uma estrutura de betão vai-se transformando num inesperado conjunto de habitações precárias.

O realojamento da Quinta do Mocho começou em 1999.

O realojamento da Quinta do Mocho começou em 1999.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

Um bairro de imigrantes que inventam paredes, janelas e chão. Tentam viver em andares onde a eletricidade é desviada, a água uma preocupação constante e os esgotos uma necessidade adiada.

Chegam a ser mais de 5 mil moradores. Números não oficiais. Quase 100% nascidos nos países africanos de língua oficial portuguesa. Fogem da guerra e da miséria. Com baixas qualificações escolares, encontram na construção civil uma bolsa de emprego garantido.

Na década de 90, Portugal está sedento de mão-de-obra barata para colocar de pé projetos como a Expo'98. Nesse ano, entraram em Lisboa, para visitar a exposição mundial, mais de 10 milhões de pessoas. Menos de 4 quilómetros ao lado, homens, mulheres e crianças viviam num dos maiores bairros de barracas da área metropolitana de Lisboa.

O realojamento começa em Abril de 1999. Termina mais de dois anos depois.

A nova Quinta do Mocho, construída ao abrigo do Plano Especial de Realojamento, custou perto de 35 milhões de euros.

Só teve direito a casa, quem se registou até 1997. Alguns ficaram na rua. Os prédios antigos acabaram por ser demolidos.

O novo Mocho, que as autoridades bem tentaram que se chamasse "Terraços da Ponte", é hoje um viveiro de músicos. Em cada esquina há um rapper e um DJ. Em cada rosto, igualdade ou o desejo de a encontrar depois de anos a somar histórias de moradores detidos, tiroteios, apreensões de droga e armas ilegais e gangues, como o que ficou conhecido pelo gangue das Seis e Meia.

Ainda há 3 meses, a PSP deteve no Mocho 7 pessoas por posse de droga e armas ilegais. Uma operação contestada pelos moradores que acusam a polícia de, com estas ações, prejudicar a mudança que dizem estar a acontecer no bairro. Uma mudança para melhor, através da arte na rua.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

O festival de arte urbana “O Bairro i o Mundo”, em Outubro de 2014, deu o pontapé de saída e começou a levantar a poeira do estigma.

Em cerca de um ano, mais de 45 artistas pintaram 50 paredes exteriores do bairro. Uma celebração da liberdade que só a imaginação pode garantir.

Jornalista: Catarina Neves

Repórter de Imagem: Odacir Júnior

Edição de Imagem: João Nunes

Produção: Cláudia Araújo, Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.