sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Do Bairro de Lata à Galeria de Arte Pública"

Chegar a Sacavém, concelho de Loures, chegar ao improvisado bairro da Quinta do Mocho e achar que nunca se saiu da África profunda e pobre. Era isso que acontecia a quem "aterrava", a seguir a 1974, nas torres abandonadas pela construtora Jota Pimenta que, entretanto, tinha entrado em processo de falência. Com o passar dos anos, o que era apenas uma estrutura de betão vai-se transformando num inesperado conjunto de habitações precárias.

O realojamento da Quinta do Mocho começou em 1999.

O realojamento da Quinta do Mocho começou em 1999.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

Um bairro de imigrantes que inventam paredes, janelas e chão. Tentam viver em andares onde a eletricidade é desviada, a água uma preocupação constante e os esgotos uma necessidade adiada.

Chegam a ser mais de 5 mil moradores. Números não oficiais. Quase 100% nascidos nos países africanos de língua oficial portuguesa. Fogem da guerra e da miséria. Com baixas qualificações escolares, encontram na construção civil uma bolsa de emprego garantido.

Na década de 90, Portugal está sedento de mão-de-obra barata para colocar de pé projetos como a Expo'98. Nesse ano, entraram em Lisboa, para visitar a exposição mundial, mais de 10 milhões de pessoas. Menos de 4 quilómetros ao lado, homens, mulheres e crianças viviam num dos maiores bairros de barracas da área metropolitana de Lisboa.

O realojamento começa em Abril de 1999. Termina mais de dois anos depois.

A nova Quinta do Mocho, construída ao abrigo do Plano Especial de Realojamento, custou perto de 35 milhões de euros.

Só teve direito a casa, quem se registou até 1997. Alguns ficaram na rua. Os prédios antigos acabaram por ser demolidos.

O novo Mocho, que as autoridades bem tentaram que se chamasse "Terraços da Ponte", é hoje um viveiro de músicos. Em cada esquina há um rapper e um DJ. Em cada rosto, igualdade ou o desejo de a encontrar depois de anos a somar histórias de moradores detidos, tiroteios, apreensões de droga e armas ilegais e gangues, como o que ficou conhecido pelo gangue das Seis e Meia.

Ainda há 3 meses, a PSP deteve no Mocho 7 pessoas por posse de droga e armas ilegais. Uma operação contestada pelos moradores que acusam a polícia de, com estas ações, prejudicar a mudança que dizem estar a acontecer no bairro. Uma mudança para melhor, através da arte na rua.

A Quinta do Mocho tem agora o estatuto de Galeria de Arte Pública.

O festival de arte urbana “O Bairro i o Mundo”, em Outubro de 2014, deu o pontapé de saída e começou a levantar a poeira do estigma.

Em cerca de um ano, mais de 45 artistas pintaram 50 paredes exteriores do bairro. Uma celebração da liberdade que só a imaginação pode garantir.

Jornalista: Catarina Neves

Repórter de Imagem: Odacir Júnior

Edição de Imagem: João Nunes

Produção: Cláudia Araújo, Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41