sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Luta contra a coincineração

Em 1997, o Governo de António Guterres optou pela coincineração em cimenteiras como forma preferencial de tratamento dos resíduos industriais perigosos. Mas uma enorme onda de crítica política, com divisões dentro do próprio PS, e de contestação social, com manifestações, vigílias e boicotes eleitorais, travou o processo durante anos. O Perdidos e Achados recorda uma das mais politizadas e mediatizadas discussões ambientais da história recente do país, e mostra qual o destino dado, atualmente, aos resíduos perigosos produzidos em Portugal.

Manifestação contra a coincineração de resíduos industriais perigosos em maio de 2000, em Setúbal, após a Comissão Científica Independente ter indicado a cimenteira do Outão, na serra da Arrábida, como uma das localizações para a queima de resíduos.

Manifestação contra a coincineração de resíduos industriais perigosos em maio de 2000, em Setúbal, após a Comissão Científica Independente ter indicado a cimenteira do Outão, na serra da Arrábida, como uma das localizações para a queima de resíduos.

Uma das muitas manifestações que juntou população, associações cívicas e políticos de diferentes partidos contra a coincineração em Souselas, no concelho de Coimbra.

Uma das muitas manifestações que juntou população, associações cívicas e políticos de diferentes partidos contra a coincineração em Souselas, no concelho de Coimbra.

Cimenteira da Cimpor em Souselas, em 1999. A população convivia na época com o pó de carvão e de cimento da fábrica.

Cimenteira da Cimpor em Souselas, em 1999. A população convivia na época com o pó de carvão e de cimento da fábrica.

Hoje a vila já não está coberta de pó e a população de Souselas diz que a situação melhorou muito.

Hoje a vila já não está coberta de pó e a população de Souselas diz que a situação melhorou muito.

Foi no final da década de 1990 que Souselas, uma pequena vila no concelho de Coimbra, se tornou conhecida de todo o país. A decisão de queimar resíduos industriais perigosos na cimenteira da Cimpor existente na localidade foi contestada pela população, que sofria há cerca de 20 anos com a poluição da fábrica. Na época, o pó de cimento e de carvão, o combustível então usado, dominava a paisagem. As partículas não se depositavam apenas nos telhados e nas couves cultivadas nas hortas, junto à cimenteira, mas também eram inaladas pelos moradores.

A decisão do Governo socialista surgiu como alternativa à opção por uma incineradora dedicada, uma instalação construída de propósito para queimar resíduos perigosos,defendida pelo anterior executivo social democrata, liderado por Cavaco Silva, e também alvo de forte contestação popular. Primeiro com Elisa Ferreira e depois com José Sócrates à frente do ministério do ambiente, em dois Governos socialistas consecutivos, a decisão política foi sendo travada pela oposição no Parlamento.

Boaventura Sousa Santos, sociólogo e presidente da Associação Pro-Urbe, e João Gabriel Silva, engenheiro eletrotécnico e ativista da Quercus, foram dois dos principais rostos da luta contra a coincineração em Souselas. Além dos eventuais riscos para a saúde das populações, os críticos da coincineração consideravam que esta deveria ser uma solução de fim de linha, e apenas para os resíduos que não pudessem ser reciclados. Do outro lado da barricada argumentativa estava por exemplo Sebastião Formosinho, professor catedrático de Química que, na época, presidia à Comissão Científica Independente de Controlo e Fiscalização Ambiental da Coincineração.

Em maio de 2000, o relatório da Comissão Científica criada pelo Parlamento considerou que a coincineração não traria riscos acrescidos para o ambiente e para a saúde pública e indicou, além da cimenteira da Cimpor, em Souselas, a cimenteira da Secil no Outão, concelho de Setúbal, em vez da cimenteira de Maceira, em Leiria, indicada inicialmente. Em Setúbal, a notícia foi recebida com protestos e logo se formou uma comissão de Cidadãos pela Arrábida que temia impactos negativos e contestava a localização escolhida junto ao Parque Natural.

A polémica não serenou e a opção que acabou por ser tomada para o tratamento dos resíduos industriais perigosos, já com o Governo seguinte do PSD e do CDS-PP, em 2003, foi a construção dos chamados CIRVER, Centros Integrados de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos. Mas as cimenteiras também acabaram por fazer parte da solução, a partir de 2008, na sequência da decisão do Governo socialista liderado por José Sócrates.

Hoje, mais de 15 anos passados sobre o auge da polémica da coincineração, uma parte dos resíduos industriais perigosos produzidos em Portugal está a ser usada nos fornos das cimenteiras de Souselas e do Outão como substituto parcial do combustível.

Jornalista: Carla Castelo

Imagem: Odacir Júnior

Edição de Imagem: Ricardo Piano

Produção: Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.