sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Missão Bósnia 96

O Perdidos e Achados recorda as mediatizadas semanas iniciais de missão do 2º Batalhão de Infantaria Aerotransportado em 1996. Há 20 anos, 944 paraquedistas estiveram destacados na Bósnia-Herzegovina na Operação Esforço Concertado (Joint Endeavour). Integraram a IFOR (Implementation Force), a força multinacional criada pela Nato para aplicar os acordos de Dayton após 3 anos e meio de guerra civil na ex-república jugoslava.

Soldado português no corredor de Gorazde - Fevereiro de 1996

Soldado português no corredor de Gorazde - Fevereiro de 1996

Tenente-coronel Francisco Sousa, veterano de 1996. É agora Comandante do 2º BIPara no Kosovo.

Tenente-coronel Francisco Sousa, veterano de 1996. É agora Comandante do 2º BIPara no Kosovo.

Patrulha apeada nos arredores de Gorazde.

Patrulha apeada nos arredores de Gorazde.

O destacamento da força portuguesa nos Balcãs marcou o regresso dos soldados portugueses a solo europeu, 80 anos depois do envio de duas Divisões para a Flandres na I Grande Guerra.

Integrado na Brigada Garibaldi com comando italiano, o 2º BIAT ficou com a responsabilidade do corredor de Gorazde, uma área no centro-leste da Bósnia, marcada pela limpeza étnica e pela destruição de povoações durante o conflito de 1992-95.

Em Rogatica, em Ustipraca, em Gorazde e em Kukavice, e mais tarde em Praca, os soldados portugueses instalaram “quartéis” em locais inóspitos ou destruídos pela guerra, em pleno inverno balcânico e com alguma hostilidade inicial das populações sérvias.

As recordações desses tempos foram contadas à SIC no RI nº 10 em São Jacinto, onde foi “aprontado” a maioria do contingente, por dez dos veteranos de 96, cinco ainda no ativo e outros cinco já na reserva.

«O valor do soldado português é inquestionável! Os tempos mudam e a tecnologia muda mas o valor e capacidade (dos militares) mantêm-se...» - Tenente e 2º comandante da Companhia de Apoio e Serviços em 96, Francisco Sousa é agora tenente-coronel e comandante do 2º Batalhão de Infantaria Paraquedista que partiu esta semana para o Kosovo. Na nova “missão balcânica”, o tenente-coronel Sousa é acompanhado pelos sargentos Luís Neves e Carlos Queirós também veteranos de 96. Todos recordam, com alguma nostalgia, as dificuldades e os desafios iniciais dessa missão. Aquilino Oliveira é a exceção: «Senti-me, um jovem com 22 anos, na altura, completamente incapacitado para fazer aquilo que mais gosta» - O 1ºcabo esteve apenas 9 dias na Bósnia e ficou gravemente ferido pela explosão da “bomblette” que matou os cabos Alcino Mouta e Rui Tavares. O acidente de 24 de janeiro de 1996 silenciou o contingente português ainda em fase de instalação e aumentou ainda mais a pressão mediática.

As regras da Nato ditaram logo depois o controlo informativo no terreno mais minado da Europa e ainda considerada área de conflito nos primeiros meses de 1996.

A SIC recuperou agora imagens VHS das dificuldades iniciais da missão que nenhum jornalista conseguiu cobrir; gravadas pelo Primeiro-sargento Jorge Oliveira, atualmente no estrangeiro, são reveladas publicamente e demonstram algumas das agruras invernais da missão dos paras: as patrulhas apeadas nas imediações de campos minados, a descoberta de armamento sérvio camuflado e a ocupação das antigas linhas de confrontação entre sérvios-bósnios e muçulmanos nos arredores de Gorazde.

Esta é também uma reportagem especial porque foi realizada pelo jornalista que efetuou para a SIC a cobertura do início da mediatizada missão do 2º BIAT. Com o repórter de imagem Carlos Santos, Aurélio Faria esteve destacado na Bósnia-Herzegovina em Janeiro e Fevereiro de 1996 e 20 anos depois fez questão de efetuar este Perdidos e Achados.

Jornalista: Aurélio Faria

Repórter de Imagem: Carlos Santos (1996), José Eduardo Zuzarte, 1ºSg Jorge Oliveira (VHS)

Edição de imagem: Rui Rocha

Grafismo: David Barata

Produção: Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21