sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Missão Bósnia 96

O Perdidos e Achados recorda as mediatizadas semanas iniciais de missão do 2º Batalhão de Infantaria Aerotransportado em 1996. Há 20 anos, 944 paraquedistas estiveram destacados na Bósnia-Herzegovina na Operação Esforço Concertado (Joint Endeavour). Integraram a IFOR (Implementation Force), a força multinacional criada pela Nato para aplicar os acordos de Dayton após 3 anos e meio de guerra civil na ex-república jugoslava.

Soldado português no corredor de Gorazde - Fevereiro de 1996

Soldado português no corredor de Gorazde - Fevereiro de 1996

Tenente-coronel Francisco Sousa, veterano de 1996. É agora Comandante do 2º BIPara no Kosovo.

Tenente-coronel Francisco Sousa, veterano de 1996. É agora Comandante do 2º BIPara no Kosovo.

Patrulha apeada nos arredores de Gorazde.

Patrulha apeada nos arredores de Gorazde.

O destacamento da força portuguesa nos Balcãs marcou o regresso dos soldados portugueses a solo europeu, 80 anos depois do envio de duas Divisões para a Flandres na I Grande Guerra.

Integrado na Brigada Garibaldi com comando italiano, o 2º BIAT ficou com a responsabilidade do corredor de Gorazde, uma área no centro-leste da Bósnia, marcada pela limpeza étnica e pela destruição de povoações durante o conflito de 1992-95.

Em Rogatica, em Ustipraca, em Gorazde e em Kukavice, e mais tarde em Praca, os soldados portugueses instalaram “quartéis” em locais inóspitos ou destruídos pela guerra, em pleno inverno balcânico e com alguma hostilidade inicial das populações sérvias.

As recordações desses tempos foram contadas à SIC no RI nº 10 em São Jacinto, onde foi “aprontado” a maioria do contingente, por dez dos veteranos de 96, cinco ainda no ativo e outros cinco já na reserva.

«O valor do soldado português é inquestionável! Os tempos mudam e a tecnologia muda mas o valor e capacidade (dos militares) mantêm-se...» - Tenente e 2º comandante da Companhia de Apoio e Serviços em 96, Francisco Sousa é agora tenente-coronel e comandante do 2º Batalhão de Infantaria Paraquedista que partiu esta semana para o Kosovo. Na nova “missão balcânica”, o tenente-coronel Sousa é acompanhado pelos sargentos Luís Neves e Carlos Queirós também veteranos de 96. Todos recordam, com alguma nostalgia, as dificuldades e os desafios iniciais dessa missão. Aquilino Oliveira é a exceção: «Senti-me, um jovem com 22 anos, na altura, completamente incapacitado para fazer aquilo que mais gosta» - O 1ºcabo esteve apenas 9 dias na Bósnia e ficou gravemente ferido pela explosão da “bomblette” que matou os cabos Alcino Mouta e Rui Tavares. O acidente de 24 de janeiro de 1996 silenciou o contingente português ainda em fase de instalação e aumentou ainda mais a pressão mediática.

As regras da Nato ditaram logo depois o controlo informativo no terreno mais minado da Europa e ainda considerada área de conflito nos primeiros meses de 1996.

A SIC recuperou agora imagens VHS das dificuldades iniciais da missão que nenhum jornalista conseguiu cobrir; gravadas pelo Primeiro-sargento Jorge Oliveira, atualmente no estrangeiro, são reveladas publicamente e demonstram algumas das agruras invernais da missão dos paras: as patrulhas apeadas nas imediações de campos minados, a descoberta de armamento sérvio camuflado e a ocupação das antigas linhas de confrontação entre sérvios-bósnios e muçulmanos nos arredores de Gorazde.

Esta é também uma reportagem especial porque foi realizada pelo jornalista que efetuou para a SIC a cobertura do início da mediatizada missão do 2º BIAT. Com o repórter de imagem Carlos Santos, Aurélio Faria esteve destacado na Bósnia-Herzegovina em Janeiro e Fevereiro de 1996 e 20 anos depois fez questão de efetuar este Perdidos e Achados.

Jornalista: Aurélio Faria

Repórter de Imagem: Carlos Santos (1996), José Eduardo Zuzarte, 1ºSg Jorge Oliveira (VHS)

Edição de imagem: Rui Rocha

Grafismo: David Barata

Produção: Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.