sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

"Somos de Vilarinho, connosco ninguém se mete"

No dia 21 de Maio de 1972, a barragem de Vilarinho da Furna começava a funcionar pondo fim à esperança de 220 homens, mulheres e crianças de ali continuar a viver. Quando se estabeleceu Vilarinho da Furna não se sabe. O certo é que passava perto a via romana que ligava Braga a Astorga, em Espanha e que sete homens, que estariam a trabalhar nesse caminho, ter-se-ão chateado com o patrão e uma mão cheia desses terá acabado por assentar arraiais no fundo do vale, entre a Serra Amarela e a do Gerês, a 4 quilómetros da freguesia de Campo do Gerês, concelho de Terras de Bouro, distrito de Braga.

Vilarinho da Furna foi uma aldeia comunitária que se conservou até 1972.

Vilarinho da Furna foi uma aldeia comunitária que se conservou até 1972.

Homens e mulheres votavam, de 6 em 6 meses, para eleger 6 representantes da população. Havia ainda um juiz que era o chefe do governo de Vilarinho da Furna, também chamado Zelador.

Homens e mulheres votavam, de 6 em 6 meses, para eleger 6 representantes da população. Havia ainda um juiz que era o chefe do governo de Vilarinho da Furna, também chamado Zelador.

Vilarinho da Furna tinha mais terreno montanhoso e áspero, próprio para pasto, que terras férteis para a agricutura, embora ali se cultivasse, por exemplo, batata, milho, feijão, linho e até uva.
Gado era o que não faltava em Vilarinho da Furna. O pastoreio é actividade que exige grande cooperação entre todos. E essa é uma das explicações para os fortes laços comunitários que existiam em Vilarinho da Furna. A organização comunitária de aldeia manter-se-ia ao longo de todo o período de ditadura em Portugal num acto de resistência da população, tolerado por Salazar.
Homens e mulheres votavam, de seis em seis meses, para eleger seis representantes da população. Havia ainda um juiz que era o chefe do governo de Vilarinho da Furna, também chamado Zelador.
Os problemas da comunidade eram, assim, discutidos por todos. Vencia a vontade da maioria. Na reuniões da junta, uma vez por semana, decidiam-se os trabalhos que a comunidade tinha para fazer. Juntos arranjavam caminhos, muros, pontes, telhados, cabanas para os pastores pernoitarem.
O chefe decidia onde e quando os rebanhos pastavam e era juiz dos crimes cometidos, com excepção dos mais graves como o homicídio.
Havia também trabalhos agrícolas feitos pelo colectivo, como as vindimas.
Os antigos habitantes dizem que o trabalho era duro e muito, mas havia fartura. Dizem também que Vilarinho da Furna desapareceu porque o Estado português resolveu colonizar algumas aldeias ao permitir que o rio Homem engolisse a marca viva de usos e costumes de uma comunidade.

Jornalista: Catarina Neves

Repórter de Imagem: Rogério Esteves

Edição de Imagem: Ricardo Sant'Ana

Produção: Madalena Durão

Coordenação: Luís Marçal

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC